Efeméride remixada

.

Ontem, dia 15 de setembro, o BaixaCultura completou dois anos.

Quando completou seu primeiro ano, em 2009, fizemos até umas “Felicitaciones“.

Agora, com dois anos, melhor não. É um pouco que nem namoro, onde a gente só comemora mesmo no primeiro ano.

Como em 15 de setembro de 2009,  novamente prometemos algumas mudanças, editoriais e de layout. Dessa vez, elas já estão em andamento.

*

Enquanto isso, saiu o e-book “Novos Jornalistas: para entender o jornalismo hoje“, disponível aqui para download. O livro é uma coletânea que reúne trinta e oito textos de profissionais da mídia brasileira (jornalistas e não jornalistas), que tratam de algumas novas habilidades que supõem-se úteis aos jornalistas “modernos”, depois de toda essa revolução tecnológica que já nem parece tão revolução de tão embuída que está no nosso dia a dia.

O e-book e o blog onde os textos foram postados inicialmente vão ter uma versão em inglês – aliás, o blog em inglês já está com alguns textos, outros sendo traduzidos. Dos colaboradores, tem bastante gente interessante, como Ana Brambilla, Marcelo Costa, Rodrigo Savazoni, José Murilo Junior, Sergio Vilas Boas, Tiago Doria, André Deak, dentre outros.  Um dos textos da coletânea foi escrito por nós. Por conta disso, disponibilizamos ele aqui abaixo, com ligeiras modificações para o da coletânea. Disfrute, e se quiser mais baixe o e-book.

*

Jornalismo é remix

A  recombinação não é nem nunca foi nenhuma novidade, mas sim uma prática milenar que, agora, com a facilidade que a internet nos proporciona, tem sua ação potencializada aos montes. No jornalismo, então, a recombinação é parte inseparável de sua prática desde sempre. Tanto nas técnicas empregadas quanto na dita produção de seu conteúdo, o processo jornalístico se caracteriza por ser múltiplo e heterogêneo. Um sem número de produções, sejam elas grandes reportagens ou pequenas notícias, já foram feitas tendo como base estudos e pesquisas realizadas nos mais diversos campos do saber. Nada mais do que apresentações de novas informações, decorridas das transformações naturais, reajustadas às informações previamente existentes. Recombinação.

Como diz Nilson Lage, professor aposentado da UFSC e das figuras que mais entendem de jornalismo nesse país, a própria natureza do jornalismo requer recombinação. “Vejo o campo jornalístico como um campo próprio para a reutilização de conhecimentos de outros campos. Ele toma das ciências o que lhe convém, disse o mestre em seu twitter (que, por sinal, vale e muito a pena acompanhar). O jornalismo, comumente um saber do imediato e do singular, não tem condições de usar, de maneira aprofundada, o vasto e atemporal conhecimento das ciências. O tempo em que ele é praticado não permite essa extravagância, por assim dizer, muito embora deva se buscar ao máximo esse objetivo sempre que for possível.

O jornalismo toma das ciências aquilo que lhe é possível aplicar no tempo em que é feito. E esse possível é nada mais que uma pequeníssima parcela da filosofia aqui, uma outra da lingüística ali, um tantinho da lógica, outro tento de história e uma parcelinha de geografia (outras áreas podem ser utilizadas, a depender do assunto tratado; essas são as mais comuns). É do “remix” dos prévios conhecimentos dessas áreas combinados com a matéria-prima da qual vive o jornalista – a informação da atualidade – que vai ser produzido aquilo que sempre costumamos chamar de jornalismo.

A constante interpretação e atualização da informação já existente, e agora digitalmente mais acessível, tem se intensificado em frequência, e ao mesmo tempo em desafio. É o que comentam outros pesquisadores e profissionais do jornalismo, como, por exemplo, Marcelo Trasel, que aponta como um dos desafios do jornalismo de hoje o de “atualizar dados em matérias antigas, que ficam disponíveis via buscadores”.

Com todas as reportagens, notícias e opiniões possíveis disponíveis na internet, a maior dificuldade do(s) jornalismo(s) existente(s) parece ser a de tornar este emaranhado de informação e opinião em algo singular. Algo que seja ao mesmo tempo atrativo ao leitor e importante para a sociedade. Que seja novidade, mas que também não se restrinja só em ser a mais-nova-informação-da-última-hora, e sim que traga um mínimo necessário de aprofundamento. O que, por sua vez, evitaria o afogamento na hipernovidade desprovida de qualquer sentido, um dos males tão ordinários hoje em nosso cotidiano recheado de links e esvaziado de significado.

Uma das formas que o jornalismo tem para usar a seu favor nestes tempos ultramodernos é, justamente, a recombinação. Se existe tanta coisa assim para nos informar e nos deixar perdido, então que aproveitemos esse contexto ímpar na história para o cruzamento enlouquecido de informações. Que com isso se busque significados que vão além da superfície e que se rompa as amarras da última novidade para propor uma ligação firme com a vida presente de cada um.

Para o jornalismo, a recombinação vale não só para a busca de informação exclusiva, ainda e por muito tempo só obtida através de fontes confiáveis, mas também para o cruzamento da informação que todo mundo tem com as mais variadas possíveis bases de dados. É claro que para isso acontecer um monte de outras coisas devem aparecer (formação adequada para o tratamento com bases de dados, informações públicas mais disponíveis e abertas a todos, iniciativas e financiamento para um trabalho jornalístico independente) e desaparecer (o preconceito de muitos com o maravilhoso mundo da informática, o comodismo das redações tomadas pelos critérios mercantis de noticiabilidade, a condição de assédio moral tomada como praxe em muitas redações).

Com tudo isso acontecendo (ou não), quem sabe não passamos a pensar na idéia que o escritor William Gibson trouxe no texto “Confissões de um Plagiador”, que republicamos alguns meses atrás: A gravação, e não o remix, é a anomalia hoje. O remix é a verdadeira natureza do digital. Em outras palavras: é a essência da comunicação dos nossos tempos. Nos arriscamos a dizer que o remix seria tão “natureza” do digital que nem mais haveria de existir uma distinção entre o próprio registro (objeto) e a recombinação (um processo). Tudo seria (e não é?) recombinação.

.

Créditos das imagens: [1], [2]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *