Life Hacks

3473_3

Sábado passado fui até a assistência buscar minha impressora. Comprei no mercado livre um complemento, um “hack”, chamado Bulk-ink. Recipientes externos ligados por cabos que alimentam o cartucho de tinta. Você compra a tinta em tubos e recarrega as cores despejando dentro desse recipiente.

A impressora é um ícone da obsolescência programada e pós-venda. Se você trabalha/estuda com uma, conhece o drama de recarregar um cartucho.

A relação entre o preço alto e a qualidade de impressão, cartuchos recarregados e remanufaturados que duram poucas recargas dão dimensões a sua dor de cabeça.

O Bulk-ink surgiu nesse mercado no melhor estilo “Robin Hood”. Você comprar um equipamento, recarrega com qualquer tinta compatível, que custa 10% ou 15% do valor de um cartucho original com uma autonomia de impressão que supera dezenas de cartuchos. Fim.

Normal, muita gente tem, já viu ou ouviu falar, trabalha com isso e etc… Agora já parou pra pensar nessa “pirataria” ou “hack”? Uma GRANDE empresa de impressoras parou e lançou em 2012 uma impressora que já vem com o sistema de “Tanques de tinta”.

É um forma de respeito ao consumidor, conhecimento de mercado, inteligência, sustentabilidade e outras tantas formas positivas de posicionamento de mercado, que eu honestamente, me perco ao enumerar.

Como consumidor eu não vou jogar algo fora, ficar atrelado aos seus préstimos pós-venda ou a sua manutenção técnica limitada. De forma romântica, admito, espero ver cada dia mais o comportamento do consumidor ditando as normas do mercado. Seja um produto que muda de posicionamento, encerra sua comercialização (Foie gras, quem sabe) ou se retrata.

Não custa acionar os SAC, pedir informações, fazer críticas sempre que necessário. Seu papel político passa por isso, não?

Isso me lembra o rap do Câmbio Negro de Brasília: “Vamos mostrar a todos o quanto somos fortes: boicote! boicote!”.

[Calixto Bento]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *