Amigo Punk

sexpistols

Há em torno do punk o mesmo desconforto que ronda toda idéia fora de contexto – a de tornar-se pastiche involuntário de si mesmo e recusar-se a enxergar isto, que é precisamente tudo o que os demais enxergam. Caso se tratasse apenas de um gênero musical, não seria tão pertinente a acusação de imobilidade (“esses caras fazem a mesma coisa há 30 anos!”), ou não seria mais pertinente do que o é no caso do blues e do rap, por exemplo. O problema do punk está menos na música do que no apego a um tipo de discurso que só pretende ofender o mundo, mas não consegue mais fazê-lo, porque o mundo muda mais rápido que a capacidade de raciocínio de um punk tradicional.

Mas e daí? Ou, perguntando de outra forma, isso tudo não é evidente o bastante pra que se torne irrelevante, e pra que seja então possível apenas apreciar os bons discos, os refrões antológicos e o inegável papel histórico do gênero? Afinal, apesar dos argumentos contra a “cena”, não há o que se dizer contra a lucidez e pertinência do que diz um Jello Biafra, este sim um punk’s not dead, ou contra o papel do gênero enquanto matriz para outras expressões culturais, como toda a cena indie baseada no bom e velho “faça você mesmo”.

jellobiafra1

Baixe você mesmo, neste caso. Bandas de A a Z com atualizações diárias, na Punk’o’teca. Coisas clássicas e conhecidas fora da cena, como Dead Kennedys [a ex-banda do mencionado Jello Biafra], Pennywise, Rancid ou Fugazi, coisas não ortodoxas, como The Offspring e Rage Against The Machine, muitas bandas obscuras e o que é melhor, vários registros de bandas brasileiras, que sempre encontraram dificuldades históricas para gravar.

*

Parte dessa dificuldade, aliás, está bem documentada no filme do ex-VJ da MTV Gastão Moreira. Centrado nas bandas de São Paulo, Botinada – A origem do punk no Brasil resgata a confusão que foi a formação de uma cultura punk no Brasil em fins de ditadura. A confusão dos punks (divididos entre os que acreditavam no discurso, os que queriam transformar violência em música e os que queriam dar porrada mesmo) e a confusão gerada pela dificuldade de assimilação do movimento pela sociedade. Embora seja sempre enjoada a ortodoxia de alguns entrevistados, vale a pena se defrontar com a complexidade de um movimento que em todo caso é a face furiosa da periferia industrial brasileira, e as contribuições lúcidas de Clemente (vocalista dos Inocentes), Kid Vinil e do jornalista Antonio Bivar não deixam dúvidas de que vale o download.

botinada

[Reuben da Cunha Rocha.]

  1. essa materia foi feita para mostra a todos quem somos nos um bicho de sete cabeça nao
    um ser humano qualquer que quer ser respeitado como todos
    bjs galera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *