Este não é mais um texto sobre Elon Musk e o Twitter

Não ia escrever sobre a venda do Twitter para o Elon Musk porque muita gente já escreveu sobre isso e nada tenho mais a dizer do que, por exemplo, a Tatiana Dias escreveu nesta nota no The Intercept Brasil: que a compra pode piorar o diálogo institucional da empresa com autoridades brasileiras, como disse o Carlos Afonso no Uol; resultar na chegada de um botão de editar postagens, como noticiou o Rafael Capanema no Núcleo.jor; dar transparência aos algoritmos, como imaginou Pablo Ortellado no Twitter; pode incorporar um modelo de liberdade de expressão sem limites, como notou Nelson de Sá na Folha e Tatiana, no primeiro link deste parágrafo, destrinchou – na real, mesmo que mude, o fato é que o Twitter já é um lugar onde conteúdos violentos (fake news, pedofilia, violência, etc) circulam a partir da suposta bandeira da “liberdade de expressão”.

O que me motivou a escrever sobre isso foi esta nota do Radios Libres e esta thread de Shoshana Zuboff, no próprio Twitter. Começamos pelas questões do primeiro texto: o que implica para os meios comunitários a compra do Twitter por parte de Elon Musk? Mais além da preocupação pelo direito à comunicação e expressão, o fato é que essa mudança de propriedade não representa alterações na estrutura de propriedade nem na gestão da plataforma – que, afinal, continuará nas mãos de um homem branco milionário.

Ainda assim, a venda do Twitter serve para demonstrar, mais uma vez, que:

_ As discussões centradas na figura de Elon Musk e sua excentricidade não fazem mais do que desviar o verdadeiro tema da discussão: a concentração de poder;

_ Os “problemas das redes sociais”, como a garantia da liberdade de expressão, a proteção da privacidade, a polarização do discurso público, a violência machista online,etc, dificilmente se resolverá “com uma linha de código”, como se diz. Não há solucionismo tecnológico que dê conta de problemas complexos como estes.

_ A concentração das plataformas digitais é o verdadeiro perigo a democracia e o debate público;

_ O motor que move o mundo é o capital especulativo. E essa transação não está motivada pela defesa da liberdade de expressão, de direitos fundamentais, de debate público. 

Seja com Jack Dorsey ou com Elon Musk, criar e gerir nossos meios de comunicação segue sendo uma propriedade.

Niallkennedy, CC BY NC 2.0

Shoshana, por sua vez, autora do já clássico “A Era do Capitalismo de Vigilância” (aqui em pdf grátis), faz a “fada sensata” e afirma: as variantes de ‘o que Elon fará?’ é um sinal de como estamos perdidos. Somos obcecados por um homem e seus caprichos porque ainda não temos o estado democrático de direito necessário para governar nossos espaços de informação. Sem lei o poder é perigoso”. Ela aponta que o resultado disso é que as pessoas, a sociedade e a democracia estão à mercê dos indivíduos que exercem a propriedade e/ou controle executivo sobre a informação. 

Segue: “aprendemos que o Facebook é um grande negócio no qual informações corruptas (corrupt information) estão positivamente correlacionadas com a receita. O imperativo de maximização de lucros do FB nos ignora. A privacidade é destruída. A informação corrupta triunfa. Fraturas da sociedade. O lucro ganha. Só a lei pode mudar isso”.

“Musk quer se juntar aos deuses que governam o espaço da informação e controlam as respostas às questões essenciais de conhecimento, autoridade e poder em nosso tempo: Quem sabe? Quem decide quem sabe? Quem decide quem decide? Mas nunca os elegemos para governar. Precisamos de leis, não de homens”.

“A democracia só avançará com leis e instituições projetadas para garantir nossos direitos de conhecimento e a integridade da informação no século digital. Na ausência da lei, somos forçados a nos preocupar: ‘O que Elon fará?’ Os imperadores têm todas as roupas, enquanto corremos nus.”

“Assim como Zuckerberg se apoia na “liberdade de expressão” para justificar fluxos de informações corruptos que promovem a extração de dados, Musk ocupa o centro do palco com a mesma retórica. É uma distorção vergonhosa da Primeira Emenda e da Bill of Right (dos Estados Unidos).”

No Brasil de 2022, onde as ditas instituições já não funcionam faz tempo, poderíamos dizer que só a lei NÃO pode mudar isso. Que não bastam leis para fazer esse tipo de mudança. Mas isso é papo longo que fica para outro texto.

[Leonardo Foletto]