REFERÊNCIAS (links para textos na íntegra, quando encontrados)

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Trad. Tadeu Breda. São

Paulo: Autonomia Literária; Elefante, 2016. ALFORD, William P. Steal a Book Is an Elegant Offense: Intellectual Property Law in Chinese Civilization. Stanford: Stanford University Press, 1995.

ARMSTRONG, Elizabeth. Before Copyright: The French Book-Privilege System 1498-1526. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

BAKER, Pam. The Open Source Programa at Microsoft: How Open Source Thrives. The Linux Foundation, 2 mar. 2018. Disponível em: https://www.linuxfoundation.org/en/blog/open-source-program-microsoft-open-source-thrives/

BARBROOK, Richard; CAMERON, Andy. A ideologia californiana: uma crítica ao livre mercado nascido no Vale do Silício. Trad. Marcelo Träsel. Porto Alegre; União da Vitória: BaixaCultura; Monstro dos Mares, 2018.

______; ______. The Californian Ideology. Mute, v.1, n.3, 1o set. 1995. Disponível em: https://www.metamute.org/editorial/articles/californian-ideology.

BARLOW, John Perry. A Declaração de Independência do ciberespaço. In: FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL,8 fev. 1996, Davos, Suíça. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/ciber/textos/barlow.htm

_______________. The Economy of Ideas. Wired, 3 jan. Disponível em: https://www.wired.com/1994/03/economy- ideas.

BASTOS, Marcus. A cultura da reciclagem. In: ROSAS, Ricardo; SALGADO, Marcos (orgs.). Recombinação. 2002. Disponível em https://virgulaimagem.redezero.org/rizoma-net

BELISÁRIO, Adriano; TARIN, Bruno (orgs.). Copyfight. Rio de Janeiro: Azougue, 2012.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Trad. Gabriel Valladão Silva. Porto Alegre: L&PM, 2018.

BENKLER, Yochai. The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. New Haven: Yale University Press, 2006.

BERARDI, Franco. Depois do futuro. Trad. Regina Silveira. São Paulo: Ubu, 2019.

______. Generación post-alfa: patologías e imaginarios en el semiocapitalismo. Buenos Aires: Tinta Limón, 2007.

BIDDLE, Sam. Coronavírus traz novos riscos de abuso de vigilância digital sobre a população. The Intercept, 6 abr. Disponível em: https://theintercept.com/2020/04/06/coronavirus-covid-19-vigilancia-privacidade. Acesso em: 29 set. 2020.

BLISSET, Luther. Q: o caçador de hereges. São Paulo: Conrad, [1999] 2002.

BOLLIER, David. Pensar desde los comunes: una breve introducción. Madri: Traficantes de Sueños, 2016.

______. Think Like a Commoner: A Short Introduction to the Life of the Commons. Gabriola Island (Canadá):

New Society Publishers, 2014.

______. Viral Spiral: How the Commoners Built a Digital Republic of their Own. Nova York: New Press, 2009.

BOUCHERON, Patrick. Como se revoltar? Trad. Cecília Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2018.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg a Diderot. Trad. Maria Carmelita Pádua Dias; rev. técn. Paulo Vaz. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

BRIGHTMAN, Marc; FAUSTO, Carlos; GROTTI, Vanessa(orgs.). Ownership and Nurture: Studies in Native
Amazonian Property Relations. Nova York: Berghahn Books, 2016.

BURROUGHS, William. O método cut-up. Trad. Ricardo Rosas; Arquivo Rizoma. In: ROSAS, Ricardo; SALGADO,
Marcos (orgs.). Recombinação. 2002. on-line. Disponível em: https://virgulaimagem.redezero.org/rizoma-net.

CAMPOS, Haroldo de. Serafim: um grande não-livro. In: ANDRADE, Oswald de. Serafim Ponte Grande. 2.ed. Rio de Janeiro; Brasília: Instituto Nacional do Livro; MEC, 1971.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In:
Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2009. p.311-73.

COELHO DE SOUZA, Marcela Stockler. The Forgotten Pattern and the Stolen Design: Contract, Exchange and Creativity among the Kĩsêdjê. In: BRIGHTMAN, Marc; FAUSTO, Carlos; GROTTI, Vanessa (orgs.). Ownership
and Nurture: Studies in Native Amazonian Property Relations. 1.ed. Nova York: Berghahn Books, 2016.

COLEMAN, Gabriella. Coding Freedom: The Ethics and Aesthetics of Hacking. Princeton: Princeton
University Press, 2013.

CONDORCET, Jean-Antoine-Nicolas de Caritat, marquês de. Fragments sur la liberté de la presse. In: OEuvres de Condorcet. T.11. Paris: Firmin Didot Frères, 1847.

CONFÚCIO. Os analectos. Trad. do chinês para o inglês, introdução e notas D. C. Lau. Trad. do inglês Caroline Chang. Porto Alegre: L&PM, 2007.

CONTRERAS, Pau. Me llamo Kofham: identidad hacker. Una aproximación antropológica. Barcelona: Gedisa, 2004.

DE ANGELIS, Massimo. Introduction. The Commoner, n.11, p.1, 2006. Disponível em: https://thecommoner.org/back-issues/issue-11-spring-summer-2006/

DEAK, André; FOLETTO, Leonardo. Ambiente digital de difusão: por onde circula a cultura on-line? BaixaCultura, 14 jun. 2019. on-line. Disponível em: http://baixacultura.org/ambiente-digital-de-difusao-por-onde-circu-la-a-cultura-online.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, [1967] 1998.

______; WOLMAN, Gil. O guia dos usuários do detournamènt. Porto Alegre: BaixaCultura, [1956] 2015.

DIDEROT, Denis. Carta sobre o comércio do livro. Trad. Bruno Feitler. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

DIRINGER, David. The Book before Printing: Ancient, Medieval and Oriental. Nova York: Dover, 1982.

EINSENSTEIN, Elizabeth. The Printing Revolution in Early Modern Europe. 2.ed. Nova York: Cambridge University Press, 2005.

ENZENSBERGER, Hans Magnus. Der kurtze Sommer der Anarchie. Berlim: Suhrkamp, 1977. [ed. bras.: O curto verão da anarquia. Trad. Marcio Suzuki. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.]

EZE, Michael Onyebuchi. Intelectual History in Contemporary South Africa. Nova York: Palgrava MacMillan, 2010.

FENG, Peter; FENG, Xyang. Intellectual Property in China. Hong Kong: Sweet & Maxwell Asia, 2003.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FOLETTO, Leonardo. Um mosaico de parcialidades na nuvem coletiva: rastreando a mídia ninja (2013-2016). Porto Alegre, 2017. Tese (Doutorado na área de Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

______. Midiativismo, mídia alternativa, radical, livre, tática: um inventário de conceitos semelhantes. In:
BRAIGHI, Antônio Augusto; LESSA, Cláudio; CÂMARA, Marco Túlio (orgs.). Interfaces do midiativismo: do conceito à prática. Belo Horizonte: Cefet-MG, 2018. p.95-110.

FOLETTO, Leonardo. Ressaca da internet, espírito do tempo. BaixaCultura, 9 jul. 2018. Disponível em: http://
baixacultura.org/ressaca-da-internet-espirito-do-tempo.

______. Cultura hacker e jornalismo: práticas jornalísticas do it yourself na comunidade brasileira, transpa-
rência hacker. In: Congreso Internacional de la Unión Latina de Economía Política de la Información (Ulepicc),
8, 2013, Quiles, Argentina. Disponível em: http://www.leofoletto.info/wp-content/uploads/2015/09/artigo_eti-
ca_hacker_e_jornalismo_ulepicc_2013.pdf.

______; MARTINS, Beatriz; LUNA, Carlos. Encontro On-Line Cultura Livre do Sul: a produção cultural comunitária para a construção do comum. Contratexto, n.33, p.105-24, jun. 2020.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? In: Ditosescritos. V.3: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile. php/179076/mod_resource/content/1/Foucault%20Mi-
chel%20-%20O%20que%20%C3%A9%20um%20autor.pdf.

GARCIA DOS SANTOS, Laymert. Politizar as novas tecnologias: o impacto sociotécnico da informação digital e genética. São Paulo: Editora 34, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio deJaneiro: LTC, 2008.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição.8ºreimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. Os andarilhos do bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. 1.reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

______. A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolíticas: cartografias do desejo. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

GUDYNAS, Eduardo. Direitos da natureza: ética biocêntrica e políticas ambientais. São Paulo: Elefante, 2019.

HAN, BYUNG-CHUL. Shanzai: el arte de la falsificación y la deconstrucción en China. Buenos Aires: Caja Negra, 2016.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HEIDEL, Evelin (Scann). Que se callen las musas: por qué el feminismo debe oponerse al copyright. GenderIT. org, 14 ago. 2017.

HIMANEN, Pekka. La ética del hacker y el espírito de la era de la información. Trad. Ferran Meler Ortí. Barcelona: Destino, 2002.

HIRSCH, Eric; STRATHERN, Marilyn. Transactions and Creations: Property Debates and the Stimulus of Melanesia. Nova York: Berghahn Books, 2004.

HOME, Stewart. Assalto à cultura: utopia subversão guerrilha na (anti)arte do século XX. 2.ed. São Paulo: Conrad, 2005.

HONG, Sungook. Wireless: From Marconi’s Black-Box to the Audion. Massachusetts: MIT Press, 2001.

HUANG, H. On Public Domain in Copyright Law. Frontiers of Law in China, v.4, n.2, p.178-95, 2009.

HUTCHINSON, Thomas. History of Massachusetts: From the First Settlement Thereof in 1628, until the Year 3.ed. 2v. Massachusetts: Thomas C. Cushing, 1795.

HYDE, Lewis. The Gift: Creativity and the Artist in the Modern World. Nova York: Random House, 1983.[ed. bras.: A dádiva: como o espírito criador transforma o mundo. Trad. Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.]

KITTLER, Friedrich A. Gramofone, filme, typewriter. Trad. Guilherme Gontijo Flores; Daniel Martineschen. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Editora UFMG; EdUerj, 2019.

KLEINER, Dimitry. The Telekommunist Manifesto. Amsterdã: Institute of Network Cultures, 2010.

KRAMER, Florian. O mal-entendido do Creative Commons. In: BELISÁRIO, Adriano; TARIN, Bruno (orgs.). Copyfight. Rio de Janeiro: Azougue, 2012.

LANIER, Jaron. Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Trad. Bruno Cassoti. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LAUTRÉAMONT, Conde de. Os cantos de Maldoror: poesias, cartas, obra completa. Trad., prefácio e notas Cláudio Willer. 2.ed. São Paulo: Iluminuras, 2005.

LESSIG, Lawrence. Code and Other Laws of Cyberspace. Nova York: Basic Books, 1999.

_____. Cultura livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. Trad. Rodolfo S. Filho, Cardoso, Joaquim Toledo Jr., Isabea Vecchi Alzuguir, Mariana Bandarra, Alexandre Boide. São Paulo: Trama, 2005.

LEVY, Steven. Hackers: Heroes of the Computer Revolution. Nova York: Nerraw Manijaime; Doubleday, 1984.

LIMA, Tânia Stolze. Um peixe olhou para mim: o povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo; Rio de Janeiro: Editora Unesp; ISA; NuTI, 2005.

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. Trad. Júlio Fischer. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LONG, Pamela. Openness, Secrecy, Authorship: Technical Arts and the Culture of Knowledge from Antiquity to the Renaissance. Baltimore: John Hopkins University Press, 2001.

MACHADO PONTES, Leonardo; SOUSA ALVES, Marcos. O direito de autor como um direito de propriedade: um estudo histórico da origem do copyright e do droit d’auteur. In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI,18, São Paulo, 2009.

MACHADO, Almires Martins; ORTIZ, Rosalvo Ivarra. Direito e cosmologia Guarani: um diálogo impreterível. Revista de Direito: trabalho, sociedade e cidadania, Brasília: Centro Universitário Iesb, v.5, n.5, jul.-dez. 2018.

MACIEL, Lucas da Costa. Perspectivismo ameríndio. In: Enciclopédia de antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia, 2019.

MANCE, Euclides André. Filosofia africana: autenticidade e libertação. In: SERRA, Carlos. O que é filosofia africana? Lisboa: Escolar Editora, 2015. [Cadernos de Ciências Sociais].

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MANSOUX, Aymeric. Livre como queijo: confusão artística acerca da abertura. In: BELISÁRIO, Adriano; TARIN, Bruno. Copyfight. Rio de Janeiro: Azougue, 2012.

MARCIAL, Marco Valério. Épigrammes. Trad. Edouard Thomas Simon. v.I. Paris: Guitel, 1819. [ed. bras.: Epigramas. Tradução, notas e posfácio de Rodrigo Garcia Lopes.Cotia-SP: Ateliê Editorial, 2018].

MARTINS, Beatriz Cintra. Autoria em rede: os novos processos autorais através das redes eletrônicas. Rio de Janeiro: Mauad, 2014.

MARX, Karl. Os despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira. Trad. Nélio Schneider. SãoPaulo: Boitempo, 2017.

MAUSS, Marcel. Essai sur le don. L’Année Sociologique, ano I. Paris: Presses Universitaires de France, 1923-1924.

[ed. bras.: Sociologia e antropologia. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Ubu, 2017].

MCLUHAN, Marshall. Understand Media: The Extensions of Man. Nova York: McGraw-Hill, 1964. [ed. bras.: Os meios de comunicação como extensão do homem. Trad.Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 2005].

MILAN, Stefania. When Algorithms Shape Collective Action: Social Media and the Dynamics of Cloud Protesting. Social Media + Society, Londres: Sage, v.2, jul.-dez. 2015.

MOREAU, Antoine. Sobre arte livre e cultura livre. In: BELISÁRIO, Adriano; TARIN, Bruno (orgs.). Copyfight. Rio de Janeiro: Azougue, 2012.