Propagandas Antipirataria [6]

Mais algumas pérolas da nefasta coleção de propagandas antipirataria que o mundo insiste em soltar, contra toda a lógica possível das redes.

É dito na campanha Pirata: To Fora!, do Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita) com apoio do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, que, sem o imposto arrecadado das empresas, o Estado perde um pouco  de receita.

Na verdade, sabemos que não é bem assim, e tu já conhece como que se dá essa falsificação da numerologia pirata ou, ainda, como a economia informal pode ser uma alternativa viável de sustento.

A questão central é que essas propagandas caem em diversos erros de generalização, a começar por 1) esquecer por completo o abuso que é o preço de um original aqui no Brasil, o que estimula a pirataria, como bem explicou Ronaldo Lemos na metade desta entrevista; e 2) misturar a reprodução de mídias digitais com a falsificação de produtos que podem afetar, de verdade, a saúde das pessoas.

A pirataria de remédios é algo, sim, muito mais complexo de analisar e problemático de compreender que a de bens culturais, já que oferece risco direto ao bem estar do comprador, coisa que um CD ou um DVD não (bem, alguns sim, vai).

A campanha da Receita Federal erra de cara com o logotipo, ao mostrar uma mão com um CD, como “símbolo” da “pirataria”, na palma. E cai na prepotência de apontar os “sete pecados” da pirataria, do qual tu vê o quinto na imagem aqui de baixo.

Diga, meu amor, quem não rouba ou copia ideias para criar

**

A campanha da Rolling Stone alemã é ainda mais apocalíptica que a propaganda brasileira. [Rolling Stone, tu, filha da contracultura dos anos 1960, fazendo esse joguinho das gravadoras?].

Diz o texto: “E um dia todos esses álbuns lendários desaparecerão. E as grandes bandas. E todos os talentosos musicos jovens. Como eles irão ganhar a vida se todos fazem download de seus trabalhos de graça? Ajude-nos: money-for-music.de”.

Não há como ajudar, pois o site não tem nada desde o lançamento.

[Leonardo Foletto, Marcelo De Franceschi]

Créditos: Imagens da campanha da Rolling Stone Alemã.

Propagandas Antipirataria [5]

Digamos que tu seja uma mega banda, ou um produtor musical dono de rádios, ou um empresário de grandes estúdios de cinema que vive de vendas para altas audiências. Tu fez suce$$o pensando em fazer com que um objeto cultural alcance o maior número possível de pessoas  – desde que essas pessoas paguem o preço que tu estipular. Preço que, claro, vai ser carregado de uma gorda margem de lucro, pois assim os que podem vão pagar e os que não podem vão ficar loucos dando um jeito de pagar.

Só que a tecnologia para produzir a música, o filme, o livro é desenvolvida de uma forma que estes poucos “donos” não esperavam. A esta altura de cultura digital tu já deve saber que as mensagens são transformadas em códigos binários (0 e 1), ao ponto de as pessoas se comunicarem muito mais (as vezes somente) em máquinas com telas. É assim que elas dão um jeito de passarem músicas – discos inteiros que tu vendia a preço de ouro – para códigos tocáveis nos autofalantes da máquinas, cada vez mais baratas e populares. Ao passo que as máquinas evoluem e ficam menores e mais simples, filmes e livros também são reduzidos e compartilhados.

Tu, dono de gravadora, estúdio de cinema, editora, não raro se indigna com essa liberdade toda, afinal até então somente tu e mais uns poucos detinham o poder de disponibilizar cultura e conhecimento. Os meios de produção e distribuição estão sob tua responsabilidade, e tu não quer adequar os produtos as novas maneiras de consumo. Pra quê né? Até hoje deu tão certo. Em vez de acompanhar o consumidor, tu tenta fazer com que ele não copie, compartilhe, venda, compre as cópias mais baratas daquilo que tu vende bem mais caro. Per$eguir e proce$$ar toma tempo e causa uma má impressão.

Outra opção que tu faz é tentar persuadir e convencer as pessoas de que elas estão erradas, de que tá tudo errado, o mundo tá todo errado agora, e que o bom mesmo era antigamente, quando só tinha o vinil, a fita, o jornal, o cinema, não essa coisa de digital que misturou tudo. Tanto faz produto ou arquivo, é tudo pirataria!

É por esse lado que vai a campanha “Stop piracy in NYC“, organizado pelo Estado de NY. Segundo ela, 700 mil trabalhadores vivem de indústrias criativas em Nova York. Qual a lógica não dita? Se tu comprar produto “pirata” ou baixar, a empresa quebra e o trabalhador vai pra rua. Como se ninguém quisesse mais o ‘original’. Como se a culpa de não comprar o ‘original’ fosse somente do consumidor.  A campanha ainda tem um caráter mobilizador, incentivando as pessoas que só compram o ‘original’ – e nunca, nunca baixam arquivos da internet – a fazerem videos anti-pirataria que serão avaliados e veículados.

[Repara nessa troca de e-mails entre a Comissária do Gabinete, Katherine Oliver, o vice-presidente da MPAA e outros membros da NBC Universal. A primeira mensagem cita um estudo encomendado pela MPPA que afirma que a cidade perde 23 mil empregos por ano com a “pirataria”. No e-mail seguinte, o representante da MPAA diz que vão fazer tu-do para ajudar na divulgação.]

Para encerrar esse post – o até aqui quinto das propagandas antipirataria – mais pro fim tu encontra quatro videos da campanha “Brasil Original: Compre essa ideia”, promovida em 2010 pelo Conselho Nacional de Combate a Pirataria, que tem em seu grande número de membros um representante da MPAA. É mais uma prova de que não, as indústrias ainda não querem mudar o seu modus operandi, mas sim continuar a ficar ditando o preço que quiserem e o resto que consuma, afinal é isso que mantém a economia, né Bush, Lula? A responsabilidade e a culpa parece ser sempre e somente do consumidor, nunca dos produtores (corporações) ou financiadores (bancos).

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=GtgoEc-GeDM]

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=otD1VmWfmA8]

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=7ZbkaLRE0co]

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=7kHLQakhCB0]

Crédito das imagens: 1 – 4.

[Marcelo De Franceschi]

Propagandas Antipirataria [4]

Nobre usuário de um computador conectado à internet:

Se tu é daqueles que, como nós, se incomoda com a hipocrisia e o desgaste de criatividade maléfica em campanhas contra a pirataria de tudo, junte-se a nós na caça de imagens e vídeos dessas famigeradas estratetegemas endinheiradas. Quem sabe organizando-as e compilando-as em um alguns posts a hipocrisia da coisa toda se faça mais visível.

Nesse quarto episódio (aqui o primeiro, segundo e terceiro) dessa busca implacável por mais exemplos de engenhosidade a serviço dos grande$ arti$ta$, encontramos mais duas campanhas trazendo músicos de fantoches. Uma agência indiana bolou uma ação em que pessoas mendigam na rua e nos semáforos usando máscaras de gente ryca como Bono Vox, Rihana e Sting. Não seria uma ofensa aos mendigos?

Uma campanha com peças mais trabalhadas foi a “Piracy”, divulgada em março. A criação era da agência italiana TBWA e de sua revista digital  First Floor Under para promover a festa de inauguração de seu novo estúdio de criação em Milão. As sete imagens são montagens de astros  da música, já mortos, feitas a partir de 6500 CDs originais atacados por CDs piratas. Junto a um stop-motion (no fim do post), o  senso comum do trabalho foi muito reproduzido (ou pirateado?) na web, indo parar até em jornais impressos.

 

[vimeo=http://vimeo.com/20884785]

Créditos das Imagens: 1, 2 a 7.

[Marcelo De Franceschi]

Propagandas antipirataria [3]

Ah, as megacorporações, os blockbusters e os superstars… essas vítimas.  Mais casos de anúncios contra os perigosos piratas.

O primeiro deles vem da Indonésia, da Microsoft de lá. Vi num fórum um pessoal rindo do que está escrito na propaganda, que graças ao Google Tradutor deu pra entender mais ou menos o seguinte: “Não deixe que o software pirata matá-lo lentamente. Software pirata pode danificar seu disco rígido. E pior ainda, eliminar os dados existentes nele. Use o software original para garantir a segurança e confiabilidade”. Então, se a cópia fiel do programa pode acabar com o computador, o programa é ruim.

Depois, de não muito longe da Indonésia, vem a Big Flix, a maior videolocadora da Índia. Com a desculpa de “Não mate os arrasa-quarteirões”, ela nos mostra o Homem-Aranha, o Shrek, e o Wall-E soterrados por DVDs piratas. Até parece que é a Pixar e a Columbia Pictures que estão em declínio. As grandes locadoras não, nem se fala nisso.

E por fim, a melhor. Também da Índia, mas de uma loja de discos, uma campanha que transforma artistas multimilionários em vulneráveis bonecos de Vudú atacados por cursores de mouse. Vai que os mestres do marketing do Kiss tenham um déficit ou que a Lady Gaga deixe de ganhar algum dos seus 62 milhões de dólares por causa do compartilhamento das músicas. E imagina se o 50 cent tiver que cobrar menos por seus shows do que os míseros 200 paus que ele cobrou em São Paulo, ou perder um pouco dos seus 500 milhões de dólares. Pobrezinhos.

Créditos das imagens:
[1]
[2, 3, 4]
[5, 6, 7, 8]
.
 

[Marcelo De Franceschi]

Propagandas antipirataria [2]

Seguimos aumentando nosso albúm de figurinhas, como anunciado aqui. Dessa vez, além de anúncios da coitada indústria cinematográfica, temos alguns da crescente indústria dos games. Ainda há uma propaganda bem chinela do governo da Maurícia [!] e por fim uma campanha para uma revista de música da Índia. Caso alguém tiver outras imagens pra trocar é só dar um toque que colocamos aqui.

Fontes:

[1, 2, 3]

[4, 5, 6,]

[7]

[8]

[Marcelo De Franceschi.]

Propagandas antipirataria: o retorno [1]

Há muito tempo figuraram aqui algumas imagens antipirataria (neste e neste post), a maioria delas antigas ou muito amadoras. Pois decidimos procurar outras do tema, mas mais atuais e com um acabamento mais profissional, mesmo que ainda todas com conceitos forçados e baseadas em falácias. Encontramos várias campanhas então faremos uma série desse tipo para intercalar com a série de posts ensaísticos. Saca só a genialidade do pessoal.

Fontes:

[1]

[2]

[3]

[4]

[5]

[6 e 7]

[8]

[Marcelo De Franceschi]

Pirateando imagens

O terrorismo de certas pessoas e entidades com a pirataria rende boas imagens. Quando uma das empresas que mais investem no “combate à pirataria”, a Recording Industry Association of America, a famosa RIAA, não bola seus próprios cartazes anti-pirataria (como o que abre o post anterior), alguém faz o serviço por ela.













Tiradas daqui.

Se alguém souber de mais imagens do tipo, só avisar.

[Leonardo Foletto.]