Por dentro de um shopping popular

Como vários centros urbanos pelo Brasil, Santa Maria, no coração do Rio Grande do Sul, tem o seu comércio informal: centenas de pessoas vendendo produtos de maneira improvisada, muitas vezes sem nota fiscal e sem um lugar apropriado pra isso. De alguns anos pra cá, uma forma de organizar os camelôs e concentrá-los num mesmo ambiente ganhou força em várias cidades brasileiras, e foi nessa onda que Santa Maria, há pouco mais de um ano, ganhou o seu “centro de compras popular”.

Passado este primeiro período de adaptação, a mudança dos camelôs das ruas centrais de Santa Maria para o Shopping Independência, mesmo com um aparente alto movimento, ainda não está estável. As opiniões dos comerciantes se dividem quanto à situação. As pequenas dimensões das bancas de 2mx2mx2,70m, a ausência de um sistema de ar e ventilação, e a falta de visibilidade para os produtos são os pontos negativos mais comentados. Entre os positivos, são citadas a limpeza, a organização e a segurança.

A desmontagem do camelódromo ocorreu em 25 junho de 2010, conforme o edital, sendo uma ação efetuada pela atual gestão da prefeitura com o objetivo de “revitalizar” a avenida Rio Branco, uma das vias mais movimentadas da cidade. O custo do projeto é orçado em R$ 1, 63 milhões. Para abrigar os trabalhadores, foi reformado o prédio do antigo Cine Independência [leia um pouco da memória do cinema santamariense, aqui] no centro, há poucos metros do local de origem.

Foi feito um acordo da prefeitura com uma administradora, prevendo que esta cuide da segurança, da sinalização e da administração do condomínio (água, luz, telefone, internet e taxa de uso de elevadores). Em troca, a empresa tem o direito de alugar o último piso para prestadoras de serviços. A parceria tem duração de dez anos, prorrogáveis por igual período.

O tema do comércio informal, que já tratamos de raspão aqui no Baixa, foi o escolhido por nosso correspondente em Santa Maria Marcelo De Franceschi para iniciar um novo tipo de “gênero” de posts por aqui: o ensaio fotográfico. Marcelo fez várias visitas ao Shopping Popular de Santa Maria na semana passada para fotografar e produzir os textos que você vê logo abaixo.

Antes de fazer as fotos, Marcelo requisitou autorização à empresa CPC Administradora Ltda, responsável pelo recinto. O gerente, Érico Abreu Rodrigues, apenas pediu para não haver imagens de CDs e DVDs, cuja queixa crime independe de denúncia; nem de óculos e relógios, que dependem de uma representação. O Ministério Público Federal e Estadual já recebeu denúncias, e recomendou à prefeitura a fiscalização de mercadorias. De nossa parte, também pedimos licença em cada box e conversamos com os vendedores.

Branco por fora, a esterilidade do edifício é apenas superficial. Ao andar pelos corredores, entra-se num caleidoscópio de produtos, pessoas e histórias. No total, são 208 bancas distribuídas em 106 no primeiro andar e 102 no segundo, com valores de aluguéis variando entre R$ 105 e R$ 490. Há ainda o terceiro andar, com praça de alimentação, cujo valor cobrado para montar um empreendimento é de R$ 1500. O local abre todos os dias: de segunda a sábado das 9h às 21h, sem fechar ao meio dia e, nos domingos e feriados, das 11h às 19h. Camelôs, ambulantes e artesãos se dividem em cada box, decorando o seu pequeno espaço a sua maneira e como conseguem.

Paulo César Marques Medeiros (foto acima, clique para ampliar), pai de quatro filhos, trabalhou durante dez anos como ambulante, até que se fixou na formação do camelódromo de Santa Maria, em 1991. Sua principal reinvidicação é a de seus direitos políticos: “Cada um dos que estavam na Rio Branco tinha o seu próprio alvará de funcionamento. Agora que nós pagamos aluguel, a CPC ficou encarregada da manutenção do prédio”. Ele explica que a empresa fez uma parceria público-privada com a prefeitura de receber  o aluguel em troca de reformar e cuidar do edifício por dez anos.

Ela diz ter sido a primeira camelô da cidade. Segundo Luíza Halm de Fraga, de 54 anos, ainda no fim dos anos 70, viu alguns brinquedos em promoção em supermercado da época e decidiu vendê-los na Rua do Acampamento. Hoje, a TV é sua inspiração: “O que passa na TV eu vendo”, gaba-se. Mãe de duas filhas, foi uma das poucas que queria a mudança para o Shopping. “Parecia uma favela lá na Rio Branco”. Segundo ela, a maioria dos compradores do segundo andar, mesmo que em menor número, gosta do atendimento, pois ali trabalham mais proprietários dos boxes, cujo atendimento é melhor.

“Eu vendo meus enxovais para a 3ª geração de uma família. Foi para avó, depois para filha, agora para a neta”, descreve Lenir Ziegler Leal, de 60 anos e 40 de casada. Com 17 anos como camelô, o que mais vende não são os bazares que a rodeiam, mas a prolífica produção têxtil. Numa manhã faz uma toca, que vende por 10 R$; e em quatro dias faz um enxoval completo de bebê, vendido de 200 a 300 R$. Localizada no segundo andar, sua banca não possui identificação; ela foi a última a ser sorteada para se mudar para o Shopping, e diz que em breve vai providenciar a plaquinha de identificação da banca.

Na loja 87, fica o Universo dos Adesivos, de Antônio de Almeida Pimentel. Antes de se fixar ali, foi andarilho  por quase 30 anos. Vendia brinco, pulseira, ripa, artesanato, produtos de carpintaria, dentre outras coisas que aprendeu a fazer na estrada. Há seis meses, tem seu carro chefe na venda de cartelas dos adesivos da família, febre nacional de alguns anos pra cá, colocadas atrás dos carros para “identificar” a família que anda no veículo. Sobre o shopping, um amigo que não quis se identificar comentou que “vem bastante gente que não vinha antes, como famílias passeando”.

O box da Jú fica no segundo andar, mas isso não lhe incomoda. Júlia Bonini Witzel, 58 anos, tem duas filhas e três netinhas e diz que suas vendas melhoraram 500% com a mudança de local. Sua estimativa de venda por dia está entre 15 e 18 bolsas. Há casos de mulheres que fazem fila, esperando ela chegar de São Paulo com os mais novos lançamentos da moda, que agora, segundo ela, é cor de rosa e cor de berinjela. Jú trabalhou 11 anos junto aos camelôs na Rio Branco e era uma das que não queriam se mudar para o shopping.

A banca mais cheirosa da cidade. Essa é a de Eliane Souza, de 45 anos, com suas paredes abarrotadas de incensos indianos de todas as cores e cheiros possíveis, e cujas vendas caíram com o shopping: “Mesmo aqui embaixo, ainda é pouco comparado ao que era na rua, com os objetos a vista de quem passava”, desabafa. Ela complementa a venda com peças de lã encomendadas. De suas agulhas rosas saem blusões, mantas, polainas, e tocas que disputam o espaço  padrão com os espetos, murais, molduras e outros objetos de madeira feitos pelo marido.


O jovem Francisco Conrado Neto de 19 anos faz cursinho para prestar vestibular em Administração. Nas horas vagas, trabalha para o pai, José Conrado, ajudando no sustento da mãe e de mais três irmãos. O boneco vestido do uniforme do  Corinthians pendurado em um canto do box faz revelar que não são gaúchos: vieram de Feira de Santana, Bahia, há 20 anos. “Hoje trabalhamos mais com armações, mas meu pai tinha lentes desde aquela época, e nunca ninguém teve problema”, conta.

Laurize Gonzalez trabalha há oito anos para a padaria Chave de Ouro, hoje localizada no terceiro andar. Ela conta que servia almoço no camelódromo da Rio Branco. “O ambiente melhorou 100%, mas as vendas caíram 60, 70% “, avalia. Quando vendia na rua, da janela do carro o pessoal que passava pedia e comprava os alimentos. Segundo ela, o elevador do shopping vive pifando, o que a obriga a subir no braço o carrinho que empurra entre os andares, vendendo aos camelôs.

Chás e ervas são a especialidade de Aldori da Silva Militz, de 43 anos, há 15 anos.  Sua antiga localização era em frente a Catedral de Nossa Senhora da Conceição, na avenida Rio Branco, perto da atual morada. Lá, porém, suas vendas eram muito melhores, talvez pelo fato de ficar na calçada, próxima ao corre corre das pessoas: “Com o passar do tempo do Shopping, o movimento aumentou, mas ainda assim a venda nem se compara ao que era”. Dentre as que mais saem estão Alcachofra, Marcela, Arnica, Cavalinha, e Nó-de-Cachorro, além de xarope e mel. Mesmo com o pouco movimento, ele tem conseguido pagar o aluguel da banca, que para ele tem um bom tamanho.

Tímida mas muito simpática, Cleuza Machado, de 60 anos, não gosta de aparecer em público. Todavia, seus principais produtos são cosméticos, como perfumes e cremes. Seu pai já era camelô antes da formação do camelódromo, quando possuíam uma tendinha na antiga Rua 24 horas [rua que, copiada da de mesmo nome em Curitiba, funcionou por pouco tempo em SM]. Logo depois se mudar para a banca número 82, deu o nome ao box de Cíntia e Cleuza Presentes, tendo de deixar de vender brinquedos e bazares, por causa das caixas grandes. Após um tempo, devido ao aluguel cobrado, precisou dispensar a vendora que dá outro nome a banca – Cíntia, sua sobrinha.

Debaixo da escada que leva ao segundo piso, o artesão Sérgio Lima de Oliveira oferta cuias gravadas na hora, e também entalhadas, pintadas e modeladas em forma de bichos, como tatu, galinhas, pinguins, gatos e até casas de passarinhos. “Aqui é complicado porque dá impressão que tu tá preso, parece uma caverna”, relata. Ao invés de uma cortina de ferro, sua banca é protegida apenas por um grosso vidro, deixando a produção sempre à mostra,  mas ele diz confiar na equipe de segurança do Shoppping. Antigamente Sérgio trabalhava na Praça Saldanha Marinho. Hoje em dia, o que dificulta as vendas é o local um tanto escondido.

Da banca Diferenza, Jayne Nogues Gonçalves trabalha com todos os tipos de bijuteria. Sua antiga banca, também na praça Saldanha Marinho mas em outro local, era uma das mais conhecidas da região – tinha uns painéis violetas montados e desmontados todos os dias. Fazer isso por 15 anos chegou até a lhe render uma L.E.R. no ombro. Naquela época, segundo ela, a venda era maior pela exposição dos adereços, mas o espaço organizado e prático de hoje ajuda bastante. Só está pendente a falta de organização da administração, que tem empurrado para a prefeitura a questão do ar-condicionado, que por sua vez repassa para a administradora.

O Miro, ou Claudiomiro Dias, vende acessórios automotivos há 20 dos seus 38 anos. Ele está satisfeito pela higiene do lugar, apesar do espaço pequeno e do ar abafado: “a gente sente que o ar é pesado aqui”. Iluminado pelo “Multilazer Flash”, um raio verde que chama a atenção de quem passa, ele conta que auto-falante é o equipamento mais vendido, mas também saem muitos aparelhos, tweeters, cornetas. Tudo com nota há cerca de cinco anos. “Teve gente que veio para cá e se legalizou. Isso não falam na imprensa”, diz.

Aos 70 anos, Sonia Shirlei Chagas, possui a banca batizada com o nome da filha de sua única filha: a neta “Inara”. Com a experiência de 40 anos como vendedora, diz que melhorou a segurança e a conservação com a mercadoria. O que mais vende agora são os brinquedos cartelados e carrinhos eletrônicos. Agora, porque a mercadoria é trocada a cada estação ou data. No verão, possui mais infláveis, e no inverno roupas de lã. Próximo ao Dia das Crianças, é claro, possui brinquedos; e no Dia dos Namorados, até flores.

Tendo 15 de seus 50 anos como relojoeiro, Vanderlei Oliveira Lemos, ou só Lemos, trabalhava com um amigo numa banca da Rio Branco. De acordo com ele, devia haver mais organização da administradora do shopping popular. “Eu pago isso como se fosse um condomínio. Para mim, devia haver uma reunião com todo mundo para discutir e decidir o que deveria ser feito” afirma. Dessa forma, decisões como fabricação de crachás para os vendedores, regimento do Shopping e até a taxa de impressão do boleto de pagamento do aluguel, seriam melhor definidas.

Maria de Fátima Andrade da Silva, de 50 anos, herdou do falecido marido a venda de vinis usados. Já o ajudava na Rio Branco desde 2001. O grande pôster na parede oposta a dos vinis a denuncia: é fã do Roberto Carlos, a ponto de dar o nome do cantor ao filho de 20 anos. Como se não bastasse, diz que de 1988 até hoje não perdeu um show do cantor em Porto Alegre e até possui uma tatuagem com o rosto do Rei no pulso direito. Os vinis de RC estão entre os mais procurados. Mesmo vendendo outros produtos, ela prefere não aderir ao comercio de CDs ‘piratas’: “Não, eu prefiro o original, que às vezes vende, às vezes não, mas tem o seu valor”, confessa.

Falida, financeiramente. Assim se considera Elaine Pinheiro Machado, camelô há 28 anos. Ela decidiu não investir na identificação do box; ficaria invisível aos visitantes, pois, assim como boa parte de seus produtos, seriam tapados por um pilar de sustentação do prédio. Para manter a família de três filhos, Elaine voltou a ser sacoleira e viaja de vez em quando para vender em outras cidades: “Em três dias em Quaraí [na fronteira oeste do RS, divisa com o Uruguai] eu ganho o equivalente do mês inteiro aqui”.

No terceiro andar, trabalhadores apontam as rachaduras e também as goteiras que surgem em dias de chuva forte. As rachaduras aumentaram com o tempo desde a chegada, há sete meses, de Marcus Botelho de Lima, dono de uma lan-house que já reclamou de supostas irregularidades na praça. “Só vai melhorar quando cair o terceiro andar em cima das bancas”, ele prevê. O teto também tem seus problemas. O pingamento vindo das rachaduras das telhas se agravam quando temporais ocorrem. “Além disso, muita gente já escorregou e caiu nos azulejos com o piso molhado”, dizem os donos de uma lancheria.

Anais da Contracultura (1): Os Provos da Venturosa Amsterdam

Dando início a mais uma sessão inconclusa do BaixaCultura, falamos agora de alguns interessantes causos (a maioria pré-digital) contraculturais que surgiram mundo afora no ruidoso século passado (XX) que ajudaram a humanidade ser um pouco menos careta.

Não poderíamos deixar de começar pelo Provos, um “movimento” que surgiu na Holanda da década de 1960 e é, em muitos aspectos, precursor e inspirador do famoso Maio de 68 na França (tema de um próximo texto, quem sabe) e da cultura hippie que se alastrou no final da década de 1960 e início de 1970. Nas palavras de Matteo Guarnaccia em seu livro Provos – Amsterdam e o nascimento da contracultura, lançado pela Conrad pela famosa coleção Baderna (e que serve de base pra esse post), “juntamente com os Beatles, Allen Ginsberg e Bob Dylan, os Provos foram um dos elementos decisivos daquela estranha operação de alquimia que, por volta da metade dos anos 60, produziu uma deflagração de consciências“.

Se são tão importantes assim, tu deve estar se perguntando como que (provavelmente) nunca ouviu falar deles. Nós de pronto te respondemos que a culpa é do idioma, o pouco disseminado holandês, língua em que a maioria dos registros do movimento foram deixados – salvo raríssimas publicações em inglês. A única publicação de fôlego (em português) que temos conhecimento sobre os Provos é o livro de Matteo Guarnaccia.

PROVOS?

O nome “Provos” vem da abreviação de provokatie (provocação em holandês). O “movimento” Provos, se é que podemos chamá-lo de “movimento”, nasce da apatia em que um mundo imerso na sociedade de consumo pode provocar em seus habitantes. O excesso de conforto, de segurança e o amplo acesso aos bens de consumo na Holanda da década de 1960 deixava tudo muito chato, careta, sem graça, conformado. Na busca eterna do graal anti-marasmo, alguns jovens holandeses, herdeiros bastardos da tradição anarquista, passaram a fazer o que lhes parecia mais interessante no momento: provocar. Provocar a sociedade de consumo, o poder civil organizado, a apatia das pessoas perante aos meios de massa. Provocar.

A partir dessa insatisfação contra um suposto “nada”, manifestações espontâneas e isoladas de performáticos contestadores da indústria e da propaganda começaram a “pipocar” aqui e ali na venturosa Amsterdam, que por ser um lugar mais do que especial merece um tópico a parte.

AMSTERDAM

Não é novidade que Amsterdam sempre foi visto como uma cidade de vanguarda, representante da exceção, durante séculos acolhida de ideias e pessoas não convencionais – de judeus foragidos da Península Ibérica (entre os quais, a comunidade de origem do filósofo Spinoza) aos huguenotes franceses, brigados com a maioria católica na França dos séculos XVI e XVII – e morada estilos de vida francamente liberais e anti-militaristas. Guarnaccia nos conta que encontrar um acordo sobre um modo de convivência para melhorar o próprio estilo de vida foi, desde sempre, uma necessidade dos moradores daquele aglomerado que foi se desenvolvendo ao redor de um dique (dam, em holandês) no Rio Amstel, sempre sujeito à inundações e sem qualquer barreira natural de defesa. A população teve que, literalmente,”sair do pântano”, o que demandou uma relativa criatividade de sua população para a busca de um bem-estar social.

Essa, digamos, criatividade natural do povo de Amsterdam, somado à atitude de abertura à ideias e pessoas extravagantes, tornou a cidade (a única capital do governo a não ser sede do governo, que se localiza em Haia) particularmente turbulenta, resistente ao poder de quem fosse e cenário propício para o surgimento de formas criativas e radicais de protesto/provocação, como os happenings do próximo tópico.

HAPPENINGS!

Desde o início da década de 1960, diferentes movimentos contrários a ordem social conviviam em Amsterdam: os Nozems, conhecidos como vândalos dos bairros populares ao redor do porto da cidade, um dos maiores do mundo; jovens anarquistas, ansiosos em se rebelar contra algo; os Pleiners, uma cambada que se vestia de preto e que buscava no jazz, na filosofia e na arte novas formas de ver o mundo, possuindo um gosto particular pela cultura francesa; além de “toda aquela fauna formada por artistas, exibicionistas, beatniks, estudantes que largaram a escola, marginalizados felizes, degustadores de LSD, sonhadores, vagabundos e poetas, que desde sempre constituem o ingrediente básico de toda revolução“, como diz Guarnaccia no livro.

Um tipo particular – e à época recém começado a ser chamado por este nome – de manifestação artística passou a ganhar a atenção de todos eles: o happening. [De forma muito didática e simplória, podemos dizer que o Happening é uma forma de fundir a arte com a vida diária, uma manifestação artística que pega elementos das artes visuais, das artes cênicas e da performance para criar situações artísticas em ambientes cotidianos como praças, ruas, parques, etc.]. Um desses muito “desocupados-artistas-exibicionistas”, Robert Jasper Grootveld (na foto abaixo), passa a liderar uma serie de happenings, se tornando o “mago” dos Provos e um dos pai bastardos de boa parta das revoluções acontecidas na década de 1960.

A primeira e mirabolante ideia de Grootveld é criar um templo antifumo, a Igreja da Dependência Consciente da Nicotina, onde passou a trabalhar em happenings contra o vício inconsequente da nicotina. Um exemplo: dezenas de “fiéis” entoava o mantra “cof, cof, cof, cof” pelo tempo e ruas próximas. Outro exemplo: Grootveld sai a pichar outdoors e cartazes com um “k” negro, inicial da palavra kanker (câncer). Mais um: o mesmo Grootveld sai pelas ruas de Amsterdam pedindo cigarro a todos que encontra. Em vez de jogar fora ou algo do tipo, ele fuma todos cigarros que consegue, virando uma chaminé de nicotina ambulante. Objetivo: mostrar, através de seu próprio corpo, o mal que faz o cigarro.

Dá uma olhada nesse enxerto do documentário “It’s a happening (1966)”, onde Grootveld explica/confunde/mostra seu happening:

Com uma seita considerável de malucos à sua volta, o “mago” passa a liderar happenings que acontecem todo sábado, uma praça na Spui, ao redor da estátua de Lieverdje – obra do escultor Carel Kneuman, que representa um menino de rua –, doada para Amsterdã por uma indústria de tabaco (na foto abaixo). Grootveld pousa seus olhos nessa estátua e decide fazer ali, toda noite de sábado, seus rituais contra a pasmaceira geral: cerimônias que incluem dança, canto, teatro, jogos e discursos absurdos (frutos do movimento dadaísta), que terminam com uma imensa fogueira alimentada pelos curiosos e uma “congregação” de jovens.

Happening na Spui, centro de Amsterdam

Os encontros eram organizados sob o espanto geral da população e da polícia, que enxergava ali uma porção de baderneiros que deveria banir com truculência. Sempre que aparecia na Spui, a polícia era recebida com risos e dispersão; um dos “preceitos” nascentes dos Provos era a não-violência e a provocação, sempre mais importante que o revide.

Na Europa, já temos de tudo: televisão, liqüidificadores e motocicletas. Já que na China eles ainda não têm liqüidificadores, seu único objetivo é de os terem o quanto antes. Quanto chegamos a possuir tudo, eis que inesperadamente chega uma espécie de vazio”, Robert Jasper Grootveld

Das junções na Spui surgem outros “xamãs” anunciando mudanças – Roel Van Duijin, Rob Stolk e Luud Schimmelpenninck, que vão ser dos mais destacados líderes Provos.

PROVOS EM AÇÃO

As milhares de pessoas que se uniam em torno dos happenings de Grootveld passam a se reunir com cada vez mais frequência. A partir dessas reuniões, Roel Van Duijin e  Rob Stolk encabeçam a publicação de uma revista mensal, intitulada Provos – que começa como um panfleto colocado clandestinamente dentro de jornais conservadores, onde defendem uma conduta antisocial (contra o bem-estar holandês), o nomadismo, a arte, a ecologia, o fim da monarquia, dentre outras bandeiras. Através da publicação, os Provos conclamam os jovens a se unirem contra toda a sorte de alvos (carros, polícia, igreja, monarquia, sociedade de consumo, etc) e se colocam a favor do uso da bicicleta, da emancipação sexual, do homossexualismo, da maconha, do fim da propriedade privada e de qualquer forma de poder ou proibição.

As “bandeiras” provos dão origem aos Planos Brancos, uma série de textos veículados nas várias edições da revista Provos e que acabaram constituindo o grosso das ideias/ações do movimento para a cidade.  Alguns deles (ou todos) são extremamente avançados para o pensamento da época (e ainda para hoje), de modo que vale a pena resumir um pouco deles aqui abaixo:

_ Plano da Bicicleta Branca:
Iniciado por Schimmelpennick, o plano previa o fechamento do centro de Amsterdam para todos que andassem com veículos motorizados, incluindo motos. A ideia era fazer com que pelo menos 40% das pessoas usassem o transporte público da cidade. Táxis eram aceitos, desde que fossem movidos a eletricidade e que não passasem de 25 km/h. O plano previa a compra, pelo governo municipal,  de 20 mil bicicletas por ano, que deveriam ser espalhadas pela cidade para uso público. Como o plano não foi aceito pela prefeitura holandesa, o Provos resolveu tocar o plano à sua maneira; reuniram mais de 50 bicicletas, pintaram-as de branco e espalharam pela cidade. A polícia apreendeu as bicicletas, alegando que elas não podiam ser deixadas pelo município sem estar cadeadas, e as devolveu para os Provos, que buscaram uma solução criativa para o impasse: colocaram cadeados em cada uma e pintaram a combinação do cadeado em preto no corpo de cada bicicleta (como dá para ver na imagem acima desse parágrafo).

_ Plano do Cadáver Branco;
Propunha que, a cada morte por atropelamento em Amsterdam, o assassino em questão, sob escolta da polícia, deveria esculpir no asfalto os contornos de sua vítima com formão e martelo, numa profundidade de 3cm, e preencher o espaço com argamassa branca. Desse modo, diziam os Provos, “os outros aspirantes a assassinos tirarão o pé do acelerador por um instante, ao se aproximar do funesto local“.

_ Plano das Galinhas Brancas;

Buscava uma reorganização da polícia de Amsterdam e propunha a transformação do policial em um trabalhador social. Para isso, tinha como objetivos que  a) que a polícia andasse desarmada e de branco, b) que fosse submetida à Câmara de Veradores, e não à Prefeitura, c) que cada municipalidade tivesse o direito de escolher o Chefe de Polícia democraticamente. O nome”galinha” é usado porque era com esse termo (“kip“, em holandês) que os Provos se referiam aos policiais, tipo o “porco” usado para o mesmo fim no Rio Grande e acreditamos que em diversos estados do Brasil.

_ Plano das Chaminés Brancas;
Queria a cobrança de multa para quem poluísse o ar com substâncias radioativas e tóxicas e a construção obrigatória de incineradores, além da pintura de branco (é claro) das chaminés dos maiores poluídores.

_ Plano das Mulheres Brancas;
Exigia a criação de clínicas públicas que oferecessem, de grátis, conselhos e contraceptivos para mulheres a partir dos 16 anos. E argumentavam também, para o bem do controle populacional, que era imprescindível para a sociedade que as mulheres não casassem virgens, e sim que experimentassem bem antes de casar e ter filhos.

_ Plano das Moradias Brancas;
Propunham que o Estado interviesse na especulação imobiliária, freando-a, e que os prédios desocupados – enquanto estivessem na espera de algum ação de seus donos ou mesmo do poder público – fossem disponibilizados gratuitamente para habitação temporária de quem precisasse.

JOGO BOM É JOGO RÁPIDO

Material da Campanha Provos para a Câmara de Amsterdam

A partir do crescente sucesso da ação do movimento – particularmente depois do casamento real da princesa Beatriz e do ex-nazista Claus von Amsberg, em 10 de março de 1966, onde os Provos, com suas bombas de fumaça branca, tomaram a dianteira dos protestos –  o movimento deixou de ser “underground” e tiveram suas idéias assimiladas por grande parte da população holandesa. Dentro do movimento, articulou-se a criação de um partido político, cujos líderes seriam alguns dos dirigentes da organização, que acabam candidatos para a Câmara de Vereadores de Amsterdam, numa campanha que é puro Provos, com sutiãs & janelas pintados com o número 12 da chapa, decorações natalinas disfarçadas de propaganda, esculturas florescentes e bonecos coloridos divulgando o “12”. Mesmo com tamanho jogo anti-político, e atrapalhados pelo fato de que só maioires de 23 anos votavam na Holanda da época, os Provos conquistam 2,5% dos votos e conquistam uma cadeira.

De Vries (de branco), o galã Provo que virou vereador

Bernad De Vries (na foto, à direita) é o escolhido. Seu comportamento na câmara é exemplar: veste-se sempre de branco, ocasionalmente pintando o rosto e as mãos da mesma cor, anda sempre descalço e inicia suas falas com um sonoro arroto. É  prova de que os Provos não estavam interessados e/ou não sabiam o que fazer com o poder. A partir das eleições e da desistência da vida política por De Vries (que vai tentar ser galã de cinema, onde teve poucas chances), ocorreram divisões no movimento e os líderes acabaram optando pelo seu fim. Sob a alegação de que os Provos eram “um grande choque” enquanto eram considerados anti-sociais, porém, assim que o sistema começou a acolhê-los, seu real significado dissipara-se, o grupo optou pela dissolução.

Mas, como bons provocadores que eram, sua despedida não passaria em “branco”. Foi espalhado um Boato Branco, dizendo que as universidades americanas tinham interesse em adquirir os “arquivos provo“, documentos que na verdade não existiam. A Universidade de Amsterdam, temendo que o “tesouro sociológico” (basicamente uma caixa de papelão com todos os números de Provo) pudesse desaparecer além mar, rapidamente fez uma oferta que os provos não poderiam recusar. E assim, tão rápido quando surgiu, dissipou-se o movimento Provo.

REPERCUSSÃO

Segundo Guarnaccia, a Revolta Provo – que durou efêmeros 2 anos, de 1965 a 1967 – foi o primeiro movimento em que os jovens, como grupo social independente, tentaram influenciar a política, fazendo-o de modo absolutamente original, sem propor ideologias, mas um novo e generoso estilo de vida anti-autoritário e ecológico. Caminhando contra a corrente do “cair fora” beat, pensavam em descaradamente permanecer “dentro” da sociedade, para provocar nela um curto-circuito”. À diferença do maio de 1968 na França, que queria levar a imaginação ao poder, o Provo utilizou a imaginação contra o poder ; semearam, por meio de imagens, as sementes de um novo modo de vida, um dos meios mais poderosos de influenciar pessoas.

Os Provos amam a vida, sua cidade, Amsterdam, e seus habitantes. Encenam exibições de tosse em massa contra os cigarros, o símbolo mais ‘evidente’ do consumidor sem escolhas, escravizado (…) agem contra a destruição de árvores e contra os jornais que fazem lavagem cerebral nas pessoas. Invadem os caminhões que transportam os rolso de papel para impressão e em seguida os desenrolam como tapetes nas ruas de trânsito mais intenso. (…)
Planejam uma cidade sem automóveis e propõem bindes gratuitos e a distribuição de 70 mil bicicletas ao dispor de todos os cidadãos. Querem que os agentes de polícia se tornem assistentes sociais e que no lugar de armas carreguem sacos brancos cheios de doces e frutas a serem distribuídos aos transeuntes”, San Francisco Oracle, Yes Provos, No Yankees (fac-símile, org. Allen Cohen, Regent Press, 1991)

Provo é uma imagem

Alguns projetos dos Provos vingaram e ainda hoje fazem parte da rotina de Amsterdam, como as bicicletas brancas e a liberalização da maconha. Além disso, os Provos tem muita cupla da cidade ser conhecida como “A cidade das bicicletas” e ter, em 2006, quase 500 mil bicicletas para uma população de pouco mais de 750 mil habitantes. O que parece permanecer, sobretudo, é semente de um outro modo de vida na sociedade holandesa, manifestada em falas como a desse artigo do conservador Telegraph, reproduzido no livro de Guarnaccia: “A sociedade holandesa nunca se recuperou das loucuras hippies, do flower power e das viagens para fora da realidade provocadas pela droga. Enquanto todas as sociedades ocidentais foram trazidas de volta à Terra, a sociedade holandesa ficou nas nuvens”.

Links
_ Além do livro de Guarnaccia, outra referência fundamental é esta matéria da revista High Times de janeiro de 1990, de Teu Voeten;
_ Colocamos o “Provos – Amsterdam e o nascimento da Contracultura”, de Matteo Guarnaccia, na nossa Biblioteca, em versão scaneada;


Agradecimentos
_ Aos textos do Gambiarre.org e do JorWikiUSP, do qual muitos parágrafos desse post foram inspirados e/ou plagiados;

Créditos das Fotos
International Institute of Social History (1, 2,5,7, 8, 10);
_ High Times (4, 6, 9);
_ Larqdesign (3);

Pequenos Grandes Momentos Ilustrados da História da Recombinação (2): Machinima

.

Dando sequência a nossa jornada intelectual pelos confins da história (ilustrada) da recombinação, que começou não faz muito com o post sobre o Detournament, falamos agora do Machinima. A segunda prática criativa que utiliza o roubo de outras obras para produzir uma nova criação é bem mais recente do que a primeira – o marco inicial data de 1996, o que dá 40 anos de diferença para a forma de apropriação indébita realizada por Debord e Wolman – e, também, bem mais popular, a constatar pelo gigantesco número de machinimas que tu pode ver por aí.

A origem

Tudo começou (ou se consolidou) com Quake. Embora existam registros esparsos dos primórdios da prática nos anos 80, com o clássico Super Mario, é com o mega-popular jogo de tiro em primeira pessoa que um grupo de malucos fanáticos pelo jogo, reunidos no clã Rangers, resolveu juntar imagens captadas da versão demo e criar um curta, “Diary of a Camper“. Com seus cenários futuristas  e seus  mercenários gigantes carregados de armas sanguinárias, Quake serviu como um interessante ambiente para uma história simplória sobre um dia na vida de um mercenário matador de tudo o que vê pela frente.

Provavelmente, era a primeira vez que se usava o ambiente e os personagens de um jogo – com uma história fechada formada por várias fases – para contar uma outra história, que nada tinha que ver com a do game.

Como era de esperar, a “Diary of a Camper” se seguiram vários curtas parecidos, que se tornaram conhecidos como “os filmes do Quake” – assim mesmo, sem qualquer definição de nome específico para a nova prática. Em janeiro de 2000, dois produtores de machinima, Hugh Hancock e Anthony Bailey, decidiram que precisavam de um novo termo para descrever todos os “filmes de videogame”. Foi então que surgiu “machinima”, uma junção das palavras  machine (máquina), animation (animação) e cinema – se pronuncia mashinima.

Aqui abaixo está um episódio de um dos mais tradicionais “seriados” Machinima, “Red vs. Blue”, criação da produtor Rooster Teth a partir do jogo “Halo”:

O que é

Como em qualquer nova prática, gênero, tipo ou coisa parecida, várias definições disputam a primazia de ser “o” conceito de machinima. Talvez a mais usual seja a definição da revista Machnimag, uma das especializadas no assunto, que diz que um machinima é “shooting film in a realtime 3d virtual environment” (em tradução tosca, “um filme em tempo real num ambiente virtual 3D”). Um machinima utiliza gráficos 3D em tempo real para gerar um filme de animação, totalmente produzido em computador – e geralmente em computadores pessoais, com poucos recursos se comparados aos monstros utilizados nas animações 3D que estreiam todo mês no cinema.

A primeira impressão que se tem é que um machinima parece um filme qualquer animado por computador, talvez um pouco mais tosco do que o normal. Mas o processo real de produção parece mais com um filme de ação ao vivo do que  propriamente uma animação por computador. Como todos os ambientes, texturas, personagens e objetos já foram criados pelos desenvolvedores dos jogos, basta reproduzí-los em tempo real de acordo com o roteiro criado pelos machinimistas ou machinimadores (não há consenso quanto a nomenclatura correta). Um machinima pode ser tão simples quanto um vídeo gravado no jogo de um jogador que disputa através de fases (como Quake, Doom etc), ou tão complexo quanto um longa metragem com mudanças de enredo e amplo desenvolvimento das personagens.

Dito isso, costuma-se dividir os machinimas em dois tipos: live action (o primeiro vídeo desse post é o um bom exemplo) onde pessoas assumem os personagens dos games e “interpretam” ao vivo (como um teatro improvisado), sendo que na pós-produção podem ser incluídos vozes adicionais, músicas e  efeitos especiais; e roteirizado, onde toda a movimentação dos “atores” é (obviamente) pré-determinada pelo script. Como exemplo desse tipo, temos o assombroso “The Journey“, todo realizado a partir do modificações no jogo Unreal Tournament 2004 e ganhador de vários prêmios em festivais de cinema e animação.

Como fazer

E como que se faz um machinima?

Existem várias formas e ferramentas para fazer, todas passando pelo básico: colocar a câmera (virtual, claro) no ambiente/cenário escolhido, com os personagens fazendo as vezes de atores, e por pra gravar. O fato de ser uma câmera virtual facilita em alguns aspectos: ela não tem massa, peso nem local fixo, podem ser viradas para qualquer direção, girar 360 graus e ser colocadas em cantos minúsculos, de cabeça para baixo, atravessar paredes etc.

O primeiro passo seria o de escolher um jogo (ou “mecanismo de jogo”). Os mais comuns são City of Heroes”/”City of Villains, Half-Life, Halo, Quake, Second Life, The Movies e The Sims. Alguns desses, como Quake, tem opções de gravar no próprio jogo, o que facilita a coisa. Os que não tem precisam de um software para capturar as cenas e fazer as vezes da câmera – o mais utilizado é o Game Cam. Se quiser ter como base um jogo de um console de videogame (tipo Playstation, Mega Drive, Wii etc) complica um pouco: há a necessidade de se ter uma placa de vídeo, que terá que receber o sinal do jogo a partir de cabos como um S-vídeo ou um RCA.

O mecanismo de jogo dá uma noção dos limites e das possibilidades da história. A partir daí, o processo é parecido com a produção de qualquer filme: roteiro, produção, gravação, áudio, mixagem, pós-produção, divulgação e exibição.

Com a popularização de softwares de animação e de capturação de imagens de videogames, ficou fácil fazer um machinima. Tão fácil que milhares de pessoas hoje são machinimistas, alguns tão profissionais que fizeram da atividade um meio de vida.  Festivais, sites (os mais completos são o Machnima.com e o YourMachnima), revistas especializadas (a pioneira é a Machnimag) e até uma academia (Academy of Machinima Arts and Sciences) surgiram para informar, refletir, criticar, fazer e difundir a nova prática, ao mesmo tempo que citações em South Park, na MTV e na HBO se encarregaram de tornar o machinima pop.

Aqui abaixo vai um filme feito a partir de GTA4, um dos jogos que, pela liberdade de ação que permite, é um dos mais propícios a  serem “machinimizados”.

Os Direitos

A única ressalva na produção (e na exibição) dos filmes fica por conta dos tão famosos “direitos autorais” das obras utilizadas. Um machinima é uma obra derivada de outras, e, como tal, para ampla divulgação mundial precisaria de uma autorização dos proprietários do game pelo qual ele tem como base – algo que não viria sem o pagamento de uma boa grana.

Em alguns casos, o machinima ainda é protegido pela divulgação restrita. Assim como acontece quando tu faz aquele curta na faculdade e resolve colocar mais de trinta segundos de uma música conhecida e sabe que não vai dar nada porque poucos vão ser os privilegiados em assistir sua obra, muitos machinimas acabam sendo divulgados só entre amigos ou aficionados por determinado jogo. E, nesses casos, é pouco provável que uma empresa que gastou milhões para desenvolver um jogo vá se incomodar com o seu machinima, ainda mais quando se sabe que ele não tem fins lucrativos – e na maioria dos casos não há preocupação alguma com o lucro, e sim com a diversão.

Como muitas empresas não são bobas, há situações em que os machinimas são incentivados pelos proprietários dos direitos dos jogos, como uma óbvia (e gratuita) estratégia de divulgação do jogo em questão. Por exemplo: a Linden Labs, criadora do Second Life, mudou sua licença para permitir que cada um mantenha a propriedade de obras criadas em seu mundo virtual Second Life. Por conta disso, e obviamente pela facilidade que um mundo aberto como o do SL proporciona aos criadores, existem uma porção de filmes tendo por base o jogo da Linden Labs.

Outro exemplo é o da Blizzard, desenvolvedora do World of Warcraft, que postou uma carta na página oficial do jogo incentivando a produção de machinimas, onde inclusive se coloca a disposição para apoio em eventuais festivais que o filme possa participar (desde que, claro, o machinima seja aprovado pela equipe de produção do jogo). Como nada é de graça nesse mundo, a carta também faz algumas restrições para a produção de machinima, sendo que a principal delas é o não uso para fins comerciais.

Do outro lado, há muitas  empresas que não estão nem aí com os machinimas e querem proibir sua circulação – ou, pelo menos, “controlar” sua proliferação, não permitindo que utilizem suas criações para a produção de filmes pornôs/eróticos ou para ações de engenharia reversa (casos brilhantes de roubos tecnológicos se dão dessa forma, tão interessante que em breve merecerá um tópico por aqui), o que ocorre com a mesma Blizzard e a toda-poderosa Microsoft. É quase a mesma situação de bandas que processam fãs que cometem o pecado supremo de baixar músicas em P2P: um tiro no pé tão evidente que nem o melhor estrategista anti-marketing recomendaria.

Como em outras áreas, os machinimas são mais uma trincheira de discussão que o mundo digital cava a bordoadas na legislação vigente, ainda (muito) aquém da velocidade criativa que a tecnologia de hoje permite.

**

Ficou curioso para ver um machinima erótico? Aqui tem um, Not Just Another Love Story, um engraçadíssimo caso de amor entre a humana Sey e um monstro azul com dois chifres e corpo de homem produzido a partir do World of Warcraft.

 
.
Agradecimentos ao site How Stuff Works, que tem um belo verbete sobre machinima, de onde algumas informações desse post – especialmente as de como fazer um machinima –  foram buscadas.
Créditos imagens: 1.