Congresso #GCultural2016 – programação

banner-1170x720-con-logos

As mesas temáticas ocorrem nas páginas web das organizações coordenadoras de cada mesa. As videoconferências canal de Ártica no Youtube.

12/9
19h GMT (16h no horário oficial de Brasília): | Início do Congresso: videoconferência inaugural com os coordenadores das mesas temáticas

13/9 a 15/9
Mesa 1: Gestão cultural para a produção de cultura livre. Coordenação: Ártica.

15/9
19h GMT (16h no horário oficial de Brasília).Videoconferência da Mesa 1.

16/9 a 19/9
Mesa 2: Comunicação em rede e ferramentas TIC para a gestão cultura. Coordenação: Comunicación Abierta.

19/9
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência da Mesa 2.

20/9 a 22/9
Mesa 3: Experiências e projetos de cultura e ativismo digital Coordenação: Baixa Cultura.

22/9
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência da Mesa 3.

23/9 a 26/9
Mesa 4: A Gestão cultural nas bases. Coordenação: Gestión Cultural UY.

26/9
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência da Mesa 4.

27/9 a 29/9
Mesa 5: Profissionalização em gestão cultural. Coordenação: Aforo.

29/9
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência da Mesa 5.

30/9 a 3/10
Mesa 6: Espaços culturais e comunidade em rede. Coordenação: Comandante Tom.

3/10
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência da Mesa 6.

6/10
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Videoconferência de encerramento da equipe coordenadora do evento.

10/10
19:00 hs GMT (16h no horário oficial de Brasília) || Atividade de encerramento com a comunidade: maratona para compartilhar o melhor do congresso nas redes sociais com a hashtag #GCultural2016

As táticas da bela baderna (2): os dilemas de decisão

cindysheehan

Brasil, maio de 2016. Passado três semanas de um dos pontos mais lamentáveis da história recente brasileira, a votação do Impeachment de Dilma Roussef na Câmara dos Deputados, damos prosseguimento ao nosso intuito de difundir as táticas do Bela Baderna/Beautiful Trouble, um livro/site que traz, de forma simples e didática, táticas, princípios e teorias para mudar algo.

Depois de “Mude seu espectro de aliados”, a tática da vez é a do dilema de decisão, aquela situação em que qualquer coisa que o alvo em questão faça vai ajudar você. É uma tática útil e inteligente, que em certas situações causa um barulho que pode ocasionar mudanças reais no mundo/comunidade/pessoa que você queira mudar.

***

COLOQUE SEU OPONENTE EM UM DILEMA DE DECISÃO*

Resumo
Desenhe sua ação de modo que seu oponente seja obrigado a tomar uma decisão, e todas as opções disponíveis sejam sempre favoráveis a você

Se você planejar bem sua ação, pode forçar seu oponente a uma situação em que ele precisa responder, mas não tem boas opções – na qual ele está ferrado se o fizer, e também está ferrado se não o fizer. Na verdade, muitas ações com objetivos concretos (como bloqueios, sit-instree-sits, etc.) PRECISAM de um “dilema de decisão” para serem bem sucedidas.

Pense no bloqueio de um prédio. Um bloqueio taticamente efetivo deixa apenas duas opções para seu oponente: 1) negociar com você /  atender duas demandas, ou 2) reagir por meio de força (violência contra você ou prisão). Isso é um dilema de decisão. Não deixe seu oponente sair de fininho pela porta dos fundos, e não se coloque em uma situação em que ele possa esperar impunemente que você saia. Você deve determinar um claro dilema de decisão. Sem isso, você permite que seu oponente e/ou a polícia ditem o sucesso de sua ação, ao invés de comandá-la por conta própria. Tenha certeza de cobrir todas as saídas possíveis – literal ou figurativamente.

Ativistas criativos podem adaptar essa inspiração tática para colocar seus oponentes em dilemas similares no nível simbólico. Veja o caso de Cindy Shehan (foto que abre o post). No verão de 2005, depois da morte de seu filho, especialista do exército Casey Sheehan, na Guerra do Iraque, ela acampou em frente ao rancho do Presidente Bush, no Texas, onde ele tinha acabado de chegar para três semanas de férias. Usando as palavras de Bush contra ele mesmo, ela prometeu não sair de lá até que ele se encontrasse com ela para explicar por qual “causa nobre” seu filho havia morrido.

Quando a mídia começou a cobrir o impasse, Bush estava encurralado em um dilema de decisão: ele estaria ferrado caso a encontrasse, e também caso não a encontrasse. Encontrar-se com Cindy seria um fiasco perante a imprensa. Não fazê-lo significaria dar-lhe razão. De todo modo ele perderia. No fim, ele não se encontrou com Cindy Sheehan, e o “Acampamento Casey (camp casey)” se transformou em um momento crucial para que a opinião pública norte-americana ficasse contra a guerra. [NB: o Indymedia ainda guarda documentação sobre a ação; Cindy ainda é uma ativista importante nos EUA e mantém um blog ativo].

teaparty

Outro exemplo é a ação do Whose Tea Party? Parlamentares republicanos se reuniram no barco do Tea Party em Boston para uma ação midiática: jogar fora um baú com o rótulo “código tributário” na água. Mas eles foram repentinamente confrontados por um bote com ativistas – o “Bote Salva-Vidas da Família Trabalhadora” – que na água, logo abaixo deles, suplicavam para não serem “afogados” pelo imposto único proposto. Com as câmeras filmando, os parlamentares tinham duas opções: jogar fora o código tributário e afundar o bote dos ativistas (o que fizeram) ou recuar em sua intenção declarada de acabar com o código tributário. Ao jogar o baú e virar o bote, eles reforçaram a mensagem dos ativistas de que a reforma tributária proposta pelos republicanos iria “afundar a família trabalhadora”. Recuar também teria enfraquecido o argumento dos republicanos, ao conceder simbolicamente que o imposto seria prejudicial para estas famílias. Assim como no Acampamento Casey, este dilema de decisão não foi um acidente fortuito, e sim um elemento-chave no planejamento de ação.

Frequentemente, para que este princípio funcione, você precisa estar preparado para esperar seu oponente. Cindy Sheehan se comprometeu a acampar em frente ao rancho de Bush durante todo o período de férias do presidente. Ela não ia sair dali. Era a vez dele de fazer alguma coisa, mas ele não tinha o que fazer. Na mesma linha, o Bote Salva-Vidas da Família Trabalhadora balançou na água, pedindo que os republicanos poupassem as famílias trabalhadoras, enquanto a mídia documentava o evento. Diferentemente do que acontece em várias ações, não havia seguranças para tirá-los do local. Eles puderam simplesmente esperar, e quanto mais os republicanos hesitavam, mais eles reforçavam a mensagem dos ativistas.

POSSÍVEIS PROBLEMAS: Isso vale tanto para se proteger de ursos quanto para o ativismo: encurralar alguém pode provocar reações violentas. Se sua intenção for eliminar a opção de fugir em um cenário em que as opções são lutar ou fugir, você precisa tomar todas as precauções necessárias para minimizar os riscos para você e seus aliados, caso o oponente resolva vir pra cima.

*Com a contribuição de Joshua Kahn Russel e Andrew Boyd – também editor do Beautiful Trouble, Andrew é autor, humorista e veterano de campanhas criativas em prol de mudanças sociais. É autor dos livros Daily AfflictionsLife’s Little Deconstruction BookThe Activist Cookbook. Site: andrewboyd.com. [Versão do post em inglês]

Créditos foto: Cindy (Indymedia), Whose Tea Party (BeautifulTrouble),

As táticas da Bela Baderna (1)

1412589_749471398400986_714175575_o

Brasil, abril de 2016. Sabemos todos que vivemos no Brasil hoje um momento histórico, de disputas políticas acirradas como poucas vezes se viu nos últimos anos (décadas?): “coxinhas”, de um lado, “petralhas”, de outro, e um vasto vasto mundo entre eles. O impeachment tendo prosseguimento em votação pavorosa na Câmara dos Deputados, em transmissão ao vivo em muitos canais, foi pra nós o ponto mais baixo da história brasileira recente.

Na impotência de não saber o que fazer, de agir mas não saber direito por onde nem pelo quê começar, pensamos numa ideia simples, acessível ao nosso raro tempo vago e que pode, com sorte, ajudar mentes a mudarem um tanto: disponibilizar informação. Compartilhar conhecimento. Fazer ideias circularem. Não quaisquer informações nem ideias impraticáveis nem conhecimento inerte, mas as ferramentas para revolução da Bela Baderna.

Beautiful Trouble (na edição original, em inglês) ou Bela Baderna, na tradução para o português, é um livro/site que traz, de forma simples e didática, táticas, princípios e teorias para mudar algo. Como diz a orelha do livro: “sofisticado o bastante para ativistas veteranos e suficientemente acessível para os novatos, o livro mostra as sinergias entre imaginação artística e estratégia política afiada”.

O livro é organizado por Andrew Boyd e Dave Oswald Mitchell, ambos ativistas com bastante experiência em ações no mundo em língua inglesa. A edição nacional é pocket, menor que a original, conta com 168 páginas e tem tradução, revisão e co-editoria da Escola de Ativismo, coletivo brasileiro formado em 2012 com a ideia de fortalecer o ativismo no Brasil “por meio de processos de aprendizagem em estratégias e técnicas de ações não-violentas, campanhas, comunicação, mobilização, ações criativas e segurança da informação, voltadas para a defesa da democracia, dos direitos humanos e da sustentabilidade”. A edição pt-br traz também três estudos de caso nacionais: Jornadas de Junho (Revogação do aumento das tarifas de transporte público em São Paulo), Pimp my Carroça e Marãiwatsédé: a terra é dos Xavante.

Nossa ideia aqui é fazer uma versão post de algumas das táticas e princípios, de modo a difundir as belas ideias presentes no livro, que dialogam muito com o material que utilizamos nas oficinas de Guerrilha da Comunicação realizada em parceria com o Fotolivre.org Se você quer ler o livro inteiro em português, o que recomendamos muito, dá pra comprar aqui a R20, preço bem camarada pelo conteúdo explosivo encontrado. No site da edição original (em inglês) dá pra ler todo o conteúdo em posts, além de uma vasta quantidade de material complementar e novidades que valem a pena ser consultado a cada tática/estratégia/teoria lida.

São 31 táticas e princípios utilizados na versão em português. Versionaremos para post algumas delas de forma aleatória e sem uma periodicidade definida – toda vez que combinamos uma periodicidade ela não acontece por aqui. Começamos com uma que, nestes days afters pós-votação do impeachment na Câmara dos Deputados, poder ser de grande valia conhecer. ATENÇÃO: Há nessa tática, como em outras, uma divisão “por caixinhas” e um vocabulário de guerra (aliados, oponentes, batalhas) que pode não agradar a alguns, inclusive a nós em alguns momentos.

*

spectrum2

MUDE O ESPECTRO DE ALIADOS*

Resumo
Os movimentos raramente ganham ao dominarem sua oposição: eles ganham ao suprimir a sua base de apoio. Delimite os setores sociais com influência sobre uma determinada questão e trabalhe para aproximá-los da sua posição.

Ativistas normalmente são bons em analisar problemas sociais sistêmicos, mas não tão bons em pensar sistemicamente sobre como se organizar.

Ativismo diz respeito a usar seu poder e sua voz para fazer mudanças. Organizar-se também diz respeito a isso, mas também a ativar e empoderar outros atores. Fica mais fácil se você pensar pelo ponto de vista dos grupos. Construir movimentos de forma bem-sucedida se articula na capacidade de enxergar a sociedade em termos de blocos e redes específicas, alguns institucionais (sindicados, igrejas, escolas), e outros menos visíveis e coesos, como agrupamentos demográficos ou subcultura jovens.

Analisar seu espectro de aliados pode ajudar a identificar e mobilizar as redes ao seu redor. Uma análise desse espectro de aliados pode ser usada para mapear uma campanha ou definir a estratégia de todo um movimento social.

A análise do espectro de aliados funciona da seguinte maneira: em cada compartimento, você coloca diferentes indivíduos (seja específico: coloque seus nomes!), grupos ou instituições. Indo da esquerda para a direita, identifique seus aliados ativos: aqueles que concordam com você e estão lutando junto: seus aliados passivos: aqueles que concordam com você mas não estão fazendo nada a respeito; os neutros: aqueles em cima do muro, que não estão envolvidos; os oponentes passivos: pessoas que discordam de você mas não estão tentando detê-lo; e finalmente seus oponentes ativos.

Alguns grupos de ativistas só falam ou atuam com aqueles no primeiro compartimento (os aliados ativos, Nota do Baixa: a “bolha”), construindo subculturas insulares, marginais e autorreferenciadas, que são incompreensíveis para qualquer outra pessoa. Outros se comportam como se todo mundo estivesse na ponta oposta (a dos oponentes ativos), agindo como se fossem “os poucos bons” e como se o mundo todo estivesse contra eles. Essas duas abordagens tendem ao fracasso. Os movimentos vencem não por se tornarem mais poderosos que seus oponentes ativos, mas sim removerem a base de apoio desses oponentes.

Por exemplo, em 1964, o Comitê de Coordenação Não-violenta Estudantil (Student Nonviolent coordinating Committe), uma grande liderança do movimento pelos direitos civis no sul dos EUA, realizou uma espécie de “análise do espectro de aliados”. Eles perceberam que tinham muitos aliados passivos que eram estudantes do norte do país: esses estudantes eram simpáticos à causa, mas não tinham uma porta de entrada no movimento. Eles não precisavam ser “educados” ou convencidos, eles precisavam ser convidados a entrar.

Para mudar esses aliados de “passivos” para “ativos”, o Comitê enviou alguns ônibus para o norte para trazer o pessoal para participar da campanha “Verão da Liberdade”. Os estudantes vieram em manadas, e muitos foram profundamente radicalizados no processo, testemunhando linchamentos, abusos de policiais violentos e multidões de brancos raivosos, tudo simplesmente pelo fato de ativistas negros tentarem votar.

Muitos escreveram cartas para seus pais, que de repente estabeleceram uma conexão pessoal com a luta. Isso disparou uma outra mudança: suas famílias se tornaram aliados passivos, muitas vezes trazendo junto seus colegas de trabalho e conexões sociais. Os estudantes, por sua vez, voltaram para a escola no outono e começaram a se organizar nos campi. Mais mudanças. O resultado: uma transformação profunda do horizonte político dos EUA. Vale ressaltar que esse efeito cascata na mudança de apoio não foi espontâneo: ele fez parte de um movimento estratégico deliberado que até hoje traz lições profundas para outros movimentos.

*Com a contribuição de Joshua Kahn Russel: mobilizador e estrategista que atua em movimentos por justiça social e equilíbrio ecológico. Ele trabalha com a 350.0rg e também é coordenador de ações, facilitador e treinador da Ruckus Society. [Versão em inglês do post].

Imagem: 1 (capa do Bela Baderna), 2 (ilustração de Joshua Kahn Russel).

Construindo o 1º congresso online de gestão cultural

logo congreso 2016

O Congresso de Cultura Livre em Quito no Equador (2013) nos colocou em contato com muita gente na América Latina que trabalha na construção do conhecimento livre, seja em hardware, software, cultura, produção ou gestão cultural. São coletivos, centros culturais, pessoas e projetos que defendem a ideia de que a informação tem que circular, para que contagie e inspire outros. E que, assim como nós, estão convencidos de que o conhecimento não cresce por acumulação, mas por multiplicação: se eu tenho uma ideia e compartilho esta ideia, a ideia se multiplica e todos saem ganhando.

É com isso em mente que, nos últimos tempos, estivemos construindo com alguns destes coletivos uma nova proposta: a de realizar este ano um congresso online de gestão cultural. Em parceria com Artica Centro Cultural 2.0, Gestión Cultural (Uruguay), Comunicación Abierta (Bolívia), Aforo Gestión Cultural (México), Comandante Tom (Espanha), lançamos o 1º CONGRESSO ONLINE DE GESTÃO CULTURAL.

MAS COMO ASSIM UM CONGRESSO ONLINE?

A partir da experiência destes coletivos, e em especial do Ártica, que organiza cursos online abertos desde 2012, o congresso vai ser 100% online. Para entender melhor, dividimos a ideia em duas partes:

_ A parte “tradicional” de um congresso: o #GCultural16 vai funcionar como um evento acadêmico “normal”, em que as pessoas enviam um resumo a uma mesa temática, e o trabalho, caso selecionado, é apresentado para um grupo de pessoas que pode comentar, perguntar, opinar. Há espaço para conversas paralelas e também para conhecer gente nova.

_ O novo (e não tão novo): o #GCultural16 será 100% online. Em vez de alugar salas, usaremos fóruns, chats e videoconferências. Os artigos estarão disponíveis desde sua aprovação em páginas web. As mesas de trabalho não vão funcionar em sedes físicas, mas nas redes digitais, e serão distribuídas. Iremos visitar os endereços web dos coletivos que estarão co-organizando as atividades (listados acima) e faremos as discussões nas redes online.

llamado a ponencias hasta 10-6 port

A primeira fase do congresso é a convocatória para apresentação de resumos, que foi lançada nesta semana e vai até 1 de junho. Dia 18 de julho divulgaremos as selecionadas; 31 de agosto é o prazo para receber os trabalhos completos; e de 12 de setembro a 10 de outubro acontece o #GCultural16, na web.

Convidamos a todos que enviem seus resumos de até 500 palavras (em português ou castelhano) para as mesas abaixo. Selecionaremos um conjunto de trabalhos para serem apresentados durante o evento, em setembro.  Também teremos outras atividades paralelas durante o evento que contaremos por aqui.

* Experiencias y proyectos de cultura y activismo digital
Relatos de experiencias de procesos / proyectos colectivos o individuales de ciberactivismo, hacktivismo, activismo digital artístico – “artivismo”; hackerspaces, makespaces, fablabs y otros tipos de centros de tecnología comunitaria; producción de cultura digital, arte y tecnologia; mapeos / cartografías digitales; performances y exposiciones artisticas; labs de experimentación digital. Coordenação: @baixacultura

* Gestión cultural para la producción de cultura libre
Experiencias y reflexiones sobre cómo se produce cultura libre en cualquier disciplina cultural. Proyectos que utilizan y promueven el dominio público, las licencias Creative Commons, licencias de software libre y otras formas de licenciamiento libre. Modalidades de trabajo de código abierto que invitan a copiar, replicar y remezclar. Coordenação: @articaonline

* La gestión cultural en las bases
Experiencias recorridas de colectivos y emprendedores culturales que trabajan desde espacios o proyectos íntimamente vinculados con el territorio y las comunidades. El foco temático de esta mesa nos lleva a considerar, además, la articulación de éstos con otros actores como colectivos, organizaciones, programas del Estado, empresas, etc. Dichas experiencias pueden provenir tanto del sector privado como público. Coordenação: @gestioncuy

* Comunicación en red y herramientas TIC para la gestión cultural
Experiencias y reflexiones sobre el uso de las TIC en el sector cultural. Comunicación, Infoactivismo, Código Abierto, Redes, Políticas, Herramientas. Coordenação: @danicotillas

*Espacios culturales y comunidad en red
La cesión de espacios por parte instituciones públicas y privadas, hace que se esté viviendo un momento de cambio en el que la cultura parece cobrar un protagonismo singular en las ciudades. Por ejemplo, el Ayuntamiento de Madrid  ha lanzado un marco común de cesión de espacios que estarán disponibles para el tejido asociativo de la ciudad. Estas experiencias, incentivan el intercambio, la colaboración y la innovación ciudadana y cultural. En esas circunstancias la capa digital juega un papel imprescindible en la construcción de una red de intercambio que conecte las diferentes propuestas locales creando una red global. Desde un punto de vista teórico, pero sobre todo práctico, el objetivo de las ponencias será indagar en las posibles vías de implementación de la construcción de esta red. Coordenação: @ComandanteTom_

* Profesionalización en gestión cultural
Experiencias y reflexiones sobre los procesos de formación en gestión cultural. Trayectorias profesionales, desarrollo de emprendimientos independientes. Diseño de proyectos y herramientas de planificación. Coordenação: @AforoMX

photo284962726834448801

Mais informações sobre neste sítio de Ártica. E qualquer dúvida, nos escrevam que prontamente responderemos.

Autocrítica da internet

 

Ou a crítica de certo otimismo em relação à intenet ao qual este blog pode facilmente se colar, falo sobre a greve da USP transversalmente para falar sobre a internet e dar assim mais um pulo para fora do silêncio.

Vivendo sem TV há mais de um ano, foi só conversando ao telefone com minha mãe que fui saber que quase não se tem noticiado os confrontos da PM com os manifestantes, isto é: com estudantes e funcionários da Universidade de São Paulo. Até terça passada a greve não me interessava de maneira muito direta: entendia que qualquer que fosse a demanda, os funcionários tinham o direito legal às manifestações, a mim não interessava fingir participação em causa alheia como também não interessava criticá-la.

Até que um belo dia a Polícia Militar entrou no campus, e em confronto armado com os grevistas. Confronto armado, com bala de borracha e bomba de efeito moral (que diabos é efeito moral?) no rodo, pra todo lado. Encontrei no youtube um vídeo do Jornal Nacional em que William Bonner tentava pôr em descrédito a situação, com um “a USP tem 10.000 alunos, e apenas 600 aderiram à greve” ou algo do tipo.

As reivindicações dos funcionários, repito, pouco me dizem respeito. Não se trata de descaso, trata-se de não fingir que uma causa é minha quando não é. A questão não é essa, muito menos o número de participantes, se ele é menor ou igual à população da Cidade Universitária. A questão é que, se não me engano, a polícia não entrava armada num campus desde 1979. Trinta anos. E resolveu (“resolveu”) entrar para conter (“conter”) uma situação legítima. O direito à paralisação não depende de quais sejam as reivindicações.

Bem, a situação é muito séria, e muito mais séria do que se tem noticiado — a violência simbólica de se ter uma tropa da PM num campus universitário excede o número de feridos, o tipo das balas ou o eterno ramerrão de saber se a polícia atirou primeiro ou depois de ser chamada de filha da puta. E a internet anda tão silenciosa quanto a TV.

O que me faz pensar: tem sempre alguém dizendo que o bacana da internet é poder dizer o que quiser, sem editor nem horário. E do que interessa poder dizer o que se quer quando ninguém está interessado em dizer o que importa?

Era isso. Bom feriado.

[Reuben da Cunha Rocha.]

PS: No youtube tem um canal da greve, de onde tirei o vídeo que abre o post.

PS2: Tem umas fotos da pancadaria no Centro de Mídia Independente. Algumas exclusivamente de PMs sem identificação. Não sei se você sabe o que isso significa.