Publicações disponibilizam acervo digitalizado

A liberação dos arquivos de revistas/jornais está mesmo se alastrando. Falamos aqui do arquivo fotográfico da Life, e hoje voltamos ao assunto graças ao anúncio da disponibilização de todo o arquivo da revista Veja, desde 11/09/1968, data da primeira edição. O esquema para visualizar as edições é simples e intuitivo, apesar de ainda um pouco lento. Dá para ver desde a primeira edição até a da semana passada.

Procurando um pouquinho, nota-se que há outras iniciativas semelhantes interessantes. Um dos principais jornais da Espanha, o La Vanguardia, editado em Barcelona, está com sua hemeretoca aberta desde outubro, o que significa que podemos ver todas as edições do jornal desde a sua fundação, em 1881. Outro dos grandes jornais da Espanha, o El País, também disponibiliza seu arquivo – desde 1976 – gratuitamente.

Na Inglaterra, o jornal The Times disponibiliza online 200 anos de seu acervo: de 1785 a 1985 (a não ser entre dezembro de 1978 e novembro de 1979, período em que o jornal não circulou). O acesso aos 20 milhões de artigos e cerca de 35 milhões de imagens é gratuito, mas exige que o leitor se cadastre. Nos EUA, a revista Popular Science, publicada entre 1870 e dezembro de 2006, colocou todas as suas edições para consulta aqui, via Google Books. Além das matérias, aqui se destacam as hilárias propagandas de produtos  hoje (bem) ultrapassados, como essa vitrola aqui abaixo:

screenhunter_17-dec-10-1839

Voltando ao Brasil. O tradicional Roda Viva tem seu arquivo aberto através do projeto “Memória Roda Viva“. Não tem programa no país que tenha recebido mais entrevistados ilustres que este. Para ficar só em alguns nomes,  já passaram por lá Adolfo Bioy Casares, Pedro Almodóvar, Anthony Giddens, Darcy Ribeiro, Fidel Castro, Noam Chonsky, Edgar Morin, Pierre Lévy, Manuel Castells, dentre inúmeros outros.

Há passos mais lentos, é o que também faz o jornalista Sandro Fortunato, criador do Memória Viva. O site não é especialista em memória da mídia, mas é possível encontrar conteúdo de publicações históricas, como da revista O Cruzeiro.

Segundo esta notícia, Fortunato estava com tudo pronto para trabalhar na disponibilização do acervo do Pasquim. Como se trata de uma notícia de 2006, é possível supor [entramos em contato para sanar a dúvida, mas não obtivemos resposta] que o jornalista tenha desistido ou que tenha sido impedido quando, no mesmo ano, foi publicado o primeiro volume da Antologia O Pasquim. Que, aliás, não é exatamente um livro barato, além de tratar-se de um arquivo de memória editado na fonte, e não pelo leitor, como é o caso das iniciativas online e uma de suas vantagens.

cruzeiro

O jornalismo brasileiro costuma cultivar uma postura romântica em relação ao seu próprio passado. Não é raro, embora nem sempre seja fato, ouvir que esta ou aquela revista era melhor nos primeiros anos, ou que certas épocas abrigaram experiências jornalísticas jamais repetidas [como o Pasquim dos anos de chumbo], ou que o jornalista não é mais o que costumava ser, e tal. Sem aprofundar o mérito da reclamação, trata-se de um contexto excelente para esse tipo de iniciativa – seja para que novos profissionais aprendam com melhores épocas, seja para que se perceba o quanto de folclore há na nostalgia.

[Leonardo Foletto e Reuben da Cunha Rocha]

  1. A disponibilização gratuita das entrevistas do programa Roda Viva é realmente algo a se comemorar. Eu ainda não sabia de tal informação, mas fui a pouco no site do programa e já fiz minha seleção particular de entrevistas.
    Valeu pelas dicas e matérias relacionadas a divulgação gratuita de cultura, esse site já entrou na minha lista de visitas diárias.

  2. Talvez por estar começando a criar meu blog de disponibilização de música (www.tolkienmetal.blogspot.com / tomare que consiga durar muito tempo!) acabei por adorar o tema abordado neste blog.
    Gostaria até de fazer um link desta pág pro meu blog.
    Vocês têm algum banner da pág?

  3. eu acesso sempre o site do memoria viva , pois
    procuro as capas da revista cruzeiro do ano de 1964.
    a minha avó saiu na capa de uma revista esse ano e como não tenho nenhuma foto dela, que já é falecida, se alguem tiver ficaria imensamente grata se postasse para eu copiar.
    muito grata, Linda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *