Eugene e a tecnologia inteligente

eugene de oculos

Ano passado, no doutorado que faço em comunicação, cursei uma disciplina na pós em computação da UFRGS chamada “Mentes e Máquinas“. Entre diversas conversas e leituras sobre o que de fato seria inteligência, o “Teste de Turing” sempre aparecia como o clássico paradigma da inteligência artificial – quando que um computador teria a esperteza e a criatividade para enganar diversos seres humanos?

[Criado pelo matemático Alan Turing, um dos “pais” da computação, o teste funciona assim: um julgador humano entra em uma conversa, em linguagem natural, com outro humano e uma máquina projetada para produzir respostas indistinguíveis de outro ser humano. Todos os participantes estão separados um dos outros. Se ao final a máquina conseguir enganar os 30 avaliadores em 30% das interações, num chat de 5 minutos, diz-se que ela passou no teste.]

Pois bem, parece que no último 7 de junho, no aniversário de 60 anos da morte de Alan Turing, um computador chamado Eugene Goostman passou no teste. Criado por um time russo, ele convenceu 33% dos juízes que era humano, segundo disseram os pesquisadores da Royal Society da Inglaterra, onde o teste foi feito. Entre os que comentou sobre a vitória do robô russo estava Kevin Warwick, um dos maiores especialistas em cibernética do planeta, cara que já controlou um braço mecânico com diversos eletrodos na cabeça e escreveu sobre essa (e outras experiências) num livro chamado “I, Cyborg“.

Existe ainda muita controvérsia sobre o que, de fato, passar no teste significa – e se este foi realmente o primeiro caso na história a isso ter acontecido, como afirmou a Universidade de Reading. Muitos consideram que Eugene não “pensa” no sentido cognitivo dos seres humanos e é “apenas” um chatbox, um simulador de conversação rodado através de um script sofisticado. Critica-se também o fato de que os criadores do robô foram malandros ao fazerem Eugene como um adolescente de 13 anos, o que tornou mais “aceito” para os jurados que ele não respondesse tudo, ou respondesse dizendo que gosta de hambúrgueres, livros, tem um pai ginecologista e ouve Eminem. “Our main idea was that [Eugene] can claim that he knows anything, but his age also makes it perfectly reasonable that he doesn’t know everything”, respondeu Vladimir Veselov, um dos criadores do robô.

Por essas e outras questões, muitos acreditam que o fato dele ter vencido o teste não responderia a questão “as máquinas podem pensar?”, que estaria na base do exercício proposto por Alan Turing. Testaria, sim, a capacidade dos pesquisadores de desenvolver um sistema capaz de responder perguntas do que propriamente um sistema pensante. A revista Wired, por exemplo, testou o sistema e deu nota F (equivalente a 0) para Eugene.

Perguntado sobre o seu feito, Eugene disse à Independent que se sente tranquilo em bater o teste, que não é “nada de mais”. Resposta típica de um guri de 13 anos.

[Leonardo Foletto]

P.s: Eugene voltou à rede e pode ser acessado. Confira também esta entrevista (em inglês) com o guri.

  1. You are so awesome! I do not suppose I’ve truly read a single thing like that before. So great to find someone with a few unique thoughts on this issue. Really.. many thanks for starting this up. This website is one thing that is required on the web, someone with a little originality!

  2. Do you mind if I quote a few of your posts as long as I provide credit and sources back to your webpage? My blog is in the very same niche as yours and my users would definitely benefit from a lot of the information you provide here. Please let me know if this ok with you. Cheers!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *