De Paraty a Porto Alegre, de Santa Maria ao Ônibus Hacker

Já faz dois dias que o Ônibus Hacker voltou da participação na Virada Digital em Paraty. Foi uma jornada incrível, apesar (ou por causa?) dos percalços técnicos.

Vejamos: o busão estava programado para sair as 10h de sexta, da Casa da Cultura Digital, em São Paulo; saiu às 19h. Duas horas depois e quase 200 Km rodados, a embreagem recém comprada estourou, e fomos conseguir parar perto de um posto de pedágio próximo a São José dos Campos. Relato da Lívia Ascava, uma das figuras centrais da organização do Busão: “estávamos trocando ideia com o Reinaldo [motorista] quando escutamos um ‘putaqueopariu, o pedal da embreagem caiu’.

Ela continua: “Imagina o pedal colado no chão, tinha que bombear ele para que o ar saísse e assim a pressão voltasse. Começamos com a mão, depois fizemos uma gambiarra com uma corda. Um apertarva o pedal pra baixo, com as pernas. Outro puxava o pedal pra cima, com uma cordinha. Não deu certo; chamamos o guincho e 12 pizzas”. O guincho chegou antes, e as pizzas (calabresa eterna e mussarela a là escassez de gosto) foram consumidas com fome.

Algum tempo depois, com direito a roda de violão em pleno asfalto da rodovia Ayrton Senna, o ônibus foi guinchado a um posto próximo. É de lá que saiu a foto acima, porque foi assim: enquanto as duas vans que nos levariam a Paraty não chegavam, o busão foi estacionado num descampado, luzes coloridas foram montadas e playlists (rock clássico, de Led a Secos & Molhados, predominou) tentaram animar a noite algo fria do interior paulista.

Por volta das 7h da manhã chegamos a Paraty. Uma turma ficou no posto esperando o mecânico consertar o busão, que só foi chegar na cidade às 15h de sábado, se instalando diretamente nas “tendas” da Virada. Foi a deixa para começarem as oficinas do busão: de como fazer uma lei popular à TV Pirata, passando por Como Montar uma Rádio Livre até Narrativas e Conteúdos para Rádio Digital.

“Acampamento Hacker” na Virada Digital

Enquanto as grandes figuras da cultura digital/política conversavam questões macros na tenda, nós falávamos para as bases, uma gurizada animada e interessada que nem precisou da nossa deixa para criticar o Jornal Nacional e toda a “grande mídia” e taxá-las de manipuladoras [Mas, por favor, sem essa de PiGs, ok?]. Eles é que vão terminar de transformar (não acabar, atenção) o jornalismo em algo mais conectado com a verdade e a transparência e menos com interesses lucrativos e obscuros.

A oficina que participei, de Narrativas e Conteúdos para Rádio Digital, foi “conversada” dentro do busão, no espaço ao fundo que costumamos chamar de “sala” por ser o das “junções” de gente (ajuda essa parte ter uns bancos a menos). O grande parceiro Gilberto Vieira fez uma decoração com luzinhas coloridas que deu um charme cabaré a coisa toda, o que certamente contribuiu para que umas 15 pessoas passassem por ali (não achei foto dessa oficina; quando achar, posto aqui).

Liane Lira e Patrícia Cornilis na oficina de Lei de Iniciativa Popular

Falamos de cultura livre, rádio livre, jornalismo, o velho binômio hacker X cracker e até do Wikileaks – tive que explicar, pela primeira vez na vida, por que Assange foi “acusado” de estupro por ter feito sexo sem camisinha com duas mulheres suecas. Para ficar algo didático, propomos 3 eixos de trabalhos para produzir conteúdo pra rádio que instalaríamos na Virada: jornalismo, jingles/publicidade e literatura/arte.

A gurizada embarcou na ideia: entrevistaram a mesma Lívia, sentados no chão de brita do local, para entender mais do Busão Hacker; gravaram, com o porto-alegrense Rodrigo Isoppo ao violão e direção musical, um embrião de jingle a partir da música “Vira-Vira”, dos Mamonas Assassinas, e as palavras “virada digital”. E teve até tempo para leitura de poema de um dos garotos, de 16 anos, para sua namorada – ou seria um poema da namorada para ele?

Não conseguimos instalar a rádio na virada, mas o conteúdo da gurizada foi gravado e, se der, editamos e publicamos em outro momento da Rádio Hacker – que, aliás, está sendo instalada numa sala secreta da Casa da Cultura Digital e em breve posto aqui novidades sobre isso e o que ela terá a ver com o BaixaCultura.

[Quer saber mais sobre a Virada? o site do busão Hacker tem mais esse relato, a fanpage no Facebook tem muitas fotos, assim como o Flickr. E o Estadão fez uma matéria sobre o evento todo.]

Fabrício Zuardi e Taipan, filho de Alex Antunes, que pirou na escaleta

**

 A jornada da semana passada terminou com a volta a São Paulo no domingo à tarde/noite, pós Virada Digital. Mas começou com Santa Maria, na quarta feira, num bate-papo que fiz com André Galarça na Feira do Livro de Santa Maria. O tema era o “Efêmero Revisitado” e suas conversas sobre teatro e cultura digital, mas, como é de costume em eventos que ocorrem na praça central da cidade, o assunto foi para outros lados, de “futuro do jornalismo” a “o que mudou na sua vida depois de escrever um livro”.

Tentei responder a todas as questões; fiquei feliz só delas existirem em mais de 10, algo raro quando se trata de assuntos desconhecidos de muita gente (como ainda é o teatro digital). Pelas minhas contagens, devem ter visto a conversa umas 60 pessoas, entre os talvez 40 sentados e outros tantos que passavam pela praça, sentavam um pouco, e seguiam seu rumo. Um salve a Feira do Livro de Santa Maria e a produtora OPSs! pelo convite e recepção. [Dei uma entrevista rápida a Rádio Itapema local, comandada pelo camarada Márcio Grings; assim que descolar o áudio reproduzo aqui].

***

Transmissão da Pós-TV/Lançamento do Efêmero em Porto Alegre

Na quinta feira, rolou o lançamento/transmissão da Pós-TV sobre teatro digital em Porto Alegre, na Palavraria, com o apoio essencial da Casa Fora do Eixo. Apesar de alguns problemas técnicos (os dois skypes marcados para o momento deram pau diversas vezes, o que é normal nestes casos), a conversa foi bem produtiva; podemos fazer uma ponte legal com Márcio Meirelles, lá de Salvador, e com Leonardo Roat, de Florianópolis, além de Cláudia Schulz, que mediou a conversa.

Os vídeos do programa (Tubo de Ensaio) podem ser assistidos aqui. Agradeço ao pessoal da Casa Fora do Eixo POA que ajudou a produzir todo o evento – inclusive o coquetel que rolou após a conversa – e aos amigos e interessados que apareceram na noite agradável de quinta 10/5 em Porto Alegre.

[Leonardo Foletto] 

Créditos fotos: Flickr Ônibus Hacker (2 a 13), Facebook VJ Varga (1), Casa Fora do Eixo POA (14)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *