As táticas da bela baderna (2): os dilemas de decisão

cindysheehan

Brasil, maio de 2016. Passado três semanas de um dos pontos mais lamentáveis da história recente brasileira, a votação do Impeachment de Dilma Roussef na Câmara dos Deputados, damos prosseguimento ao nosso intuito de difundir as táticas do Bela Baderna/Beautiful Trouble, um livro/site que traz, de forma simples e didática, táticas, princípios e teorias para mudar algo.

Depois de “Mude seu espectro de aliados”, a tática da vez é a do dilema de decisão, aquela situação em que qualquer coisa que o alvo em questão faça vai ajudar você. É uma tática útil e inteligente, que em certas situações causa um barulho que pode ocasionar mudanças reais no mundo/comunidade/pessoa que você queira mudar.

***

COLOQUE SEU OPONENTE EM UM DILEMA DE DECISÃO*

Resumo
Desenhe sua ação de modo que seu oponente seja obrigado a tomar uma decisão, e todas as opções disponíveis sejam sempre favoráveis a você

Se você planejar bem sua ação, pode forçar seu oponente a uma situação em que ele precisa responder, mas não tem boas opções – na qual ele está ferrado se o fizer, e também está ferrado se não o fizer. Na verdade, muitas ações com objetivos concretos (como bloqueios, sit-instree-sits, etc.) PRECISAM de um “dilema de decisão” para serem bem sucedidas.

Pense no bloqueio de um prédio. Um bloqueio taticamente efetivo deixa apenas duas opções para seu oponente: 1) negociar com você /  atender duas demandas, ou 2) reagir por meio de força (violência contra você ou prisão). Isso é um dilema de decisão. Não deixe seu oponente sair de fininho pela porta dos fundos, e não se coloque em uma situação em que ele possa esperar impunemente que você saia. Você deve determinar um claro dilema de decisão. Sem isso, você permite que seu oponente e/ou a polícia ditem o sucesso de sua ação, ao invés de comandá-la por conta própria. Tenha certeza de cobrir todas as saídas possíveis – literal ou figurativamente.

Ativistas criativos podem adaptar essa inspiração tática para colocar seus oponentes em dilemas similares no nível simbólico. Veja o caso de Cindy Shehan (foto que abre o post). No verão de 2005, depois da morte de seu filho, especialista do exército Casey Sheehan, na Guerra do Iraque, ela acampou em frente ao rancho do Presidente Bush, no Texas, onde ele tinha acabado de chegar para três semanas de férias. Usando as palavras de Bush contra ele mesmo, ela prometeu não sair de lá até que ele se encontrasse com ela para explicar por qual “causa nobre” seu filho havia morrido.

Quando a mídia começou a cobrir o impasse, Bush estava encurralado em um dilema de decisão: ele estaria ferrado caso a encontrasse, e também caso não a encontrasse. Encontrar-se com Cindy seria um fiasco perante a imprensa. Não fazê-lo significaria dar-lhe razão. De todo modo ele perderia. No fim, ele não se encontrou com Cindy Sheehan, e o “Acampamento Casey (camp casey)” se transformou em um momento crucial para que a opinião pública norte-americana ficasse contra a guerra. [NB: o Indymedia ainda guarda documentação sobre a ação; Cindy ainda é uma ativista importante nos EUA e mantém um blog ativo].

teaparty

Outro exemplo é a ação do Whose Tea Party? Parlamentares republicanos se reuniram no barco do Tea Party em Boston para uma ação midiática: jogar fora um baú com o rótulo “código tributário” na água. Mas eles foram repentinamente confrontados por um bote com ativistas – o “Bote Salva-Vidas da Família Trabalhadora” – que na água, logo abaixo deles, suplicavam para não serem “afogados” pelo imposto único proposto. Com as câmeras filmando, os parlamentares tinham duas opções: jogar fora o código tributário e afundar o bote dos ativistas (o que fizeram) ou recuar em sua intenção declarada de acabar com o código tributário. Ao jogar o baú e virar o bote, eles reforçaram a mensagem dos ativistas de que a reforma tributária proposta pelos republicanos iria “afundar a família trabalhadora”. Recuar também teria enfraquecido o argumento dos republicanos, ao conceder simbolicamente que o imposto seria prejudicial para estas famílias. Assim como no Acampamento Casey, este dilema de decisão não foi um acidente fortuito, e sim um elemento-chave no planejamento de ação.

Frequentemente, para que este princípio funcione, você precisa estar preparado para esperar seu oponente. Cindy Sheehan se comprometeu a acampar em frente ao rancho de Bush durante todo o período de férias do presidente. Ela não ia sair dali. Era a vez dele de fazer alguma coisa, mas ele não tinha o que fazer. Na mesma linha, o Bote Salva-Vidas da Família Trabalhadora balançou na água, pedindo que os republicanos poupassem as famílias trabalhadoras, enquanto a mídia documentava o evento. Diferentemente do que acontece em várias ações, não havia seguranças para tirá-los do local. Eles puderam simplesmente esperar, e quanto mais os republicanos hesitavam, mais eles reforçavam a mensagem dos ativistas.

POSSÍVEIS PROBLEMAS: Isso vale tanto para se proteger de ursos quanto para o ativismo: encurralar alguém pode provocar reações violentas. Se sua intenção for eliminar a opção de fugir em um cenário em que as opções são lutar ou fugir, você precisa tomar todas as precauções necessárias para minimizar os riscos para você e seus aliados, caso o oponente resolva vir pra cima.

*Com a contribuição de Joshua Kahn Russel e Andrew Boyd – também editor do Beautiful Trouble, Andrew é autor, humorista e veterano de campanhas criativas em prol de mudanças sociais. É autor dos livros Daily AfflictionsLife’s Little Deconstruction BookThe Activist Cookbook. Site: andrewboyd.com. [Versão do post em inglês]

Créditos foto: Cindy (Indymedia), Whose Tea Party (BeautifulTrouble),

As táticas da Bela Baderna (1)

1412589_749471398400986_714175575_o

Brasil, abril de 2016. Sabemos todos que vivemos no Brasil hoje um momento histórico, de disputas políticas acirradas como poucas vezes se viu nos últimos anos (décadas?): “coxinhas”, de um lado, “petralhas”, de outro, e um vasto vasto mundo entre eles. O impeachment tendo prosseguimento em votação pavorosa na Câmara dos Deputados, em transmissão ao vivo em muitos canais, foi pra nós o ponto mais baixo da história brasileira recente.

Na impotência de não saber o que fazer, de agir mas não saber direito por onde nem pelo quê começar, pensamos numa ideia simples, acessível ao nosso raro tempo vago e que pode, com sorte, ajudar mentes a mudarem um tanto: disponibilizar informação. Compartilhar conhecimento. Fazer ideias circularem. Não quaisquer informações nem ideias impraticáveis nem conhecimento inerte, mas as ferramentas para revolução da Bela Baderna.

Beautiful Trouble (na edição original, em inglês) ou Bela Baderna, na tradução para o português, é um livro/site que traz, de forma simples e didática, táticas, princípios e teorias para mudar algo. Como diz a orelha do livro: “sofisticado o bastante para ativistas veteranos e suficientemente acessível para os novatos, o livro mostra as sinergias entre imaginação artística e estratégia política afiada”.

O livro é organizado por Andrew Boyd e Dave Oswald Mitchell, ambos ativistas com bastante experiência em ações no mundo em língua inglesa. A edição nacional é pocket, menor que a original, conta com 168 páginas e tem tradução, revisão e co-editoria da Escola de Ativismo, coletivo brasileiro formado em 2012 com a ideia de fortalecer o ativismo no Brasil “por meio de processos de aprendizagem em estratégias e técnicas de ações não-violentas, campanhas, comunicação, mobilização, ações criativas e segurança da informação, voltadas para a defesa da democracia, dos direitos humanos e da sustentabilidade”. A edição pt-br traz também três estudos de caso nacionais: Jornadas de Junho (Revogação do aumento das tarifas de transporte público em São Paulo), Pimp my Carroça e Marãiwatsédé: a terra é dos Xavante.

Nossa ideia aqui é fazer uma versão post de algumas das táticas e princípios, de modo a difundir as belas ideias presentes no livro, que dialogam muito com o material que utilizamos nas oficinas de Guerrilha da Comunicação realizada em parceria com o Fotolivre.org Se você quer ler o livro inteiro em português, o que recomendamos muito, dá pra comprar aqui a R20, preço bem camarada pelo conteúdo explosivo encontrado. No site da edição original (em inglês) dá pra ler todo o conteúdo em posts, além de uma vasta quantidade de material complementar e novidades que valem a pena ser consultado a cada tática/estratégia/teoria lida.

São 31 táticas e princípios utilizados na versão em português. Versionaremos para post algumas delas de forma aleatória e sem uma periodicidade definida – toda vez que combinamos uma periodicidade ela não acontece por aqui. Começamos com uma que, nestes days afters pós-votação do impeachment na Câmara dos Deputados, poder ser de grande valia conhecer. ATENÇÃO: Há nessa tática, como em outras, uma divisão “por caixinhas” e um vocabulário de guerra (aliados, oponentes, batalhas) que pode não agradar a alguns, inclusive a nós em alguns momentos.

*

spectrum2

MUDE O ESPECTRO DE ALIADOS*

Resumo
Os movimentos raramente ganham ao dominarem sua oposição: eles ganham ao suprimir a sua base de apoio. Delimite os setores sociais com influência sobre uma determinada questão e trabalhe para aproximá-los da sua posição.

Ativistas normalmente são bons em analisar problemas sociais sistêmicos, mas não tão bons em pensar sistemicamente sobre como se organizar.

Ativismo diz respeito a usar seu poder e sua voz para fazer mudanças. Organizar-se também diz respeito a isso, mas também a ativar e empoderar outros atores. Fica mais fácil se você pensar pelo ponto de vista dos grupos. Construir movimentos de forma bem-sucedida se articula na capacidade de enxergar a sociedade em termos de blocos e redes específicas, alguns institucionais (sindicados, igrejas, escolas), e outros menos visíveis e coesos, como agrupamentos demográficos ou subcultura jovens.

Analisar seu espectro de aliados pode ajudar a identificar e mobilizar as redes ao seu redor. Uma análise desse espectro de aliados pode ser usada para mapear uma campanha ou definir a estratégia de todo um movimento social.

A análise do espectro de aliados funciona da seguinte maneira: em cada compartimento, você coloca diferentes indivíduos (seja específico: coloque seus nomes!), grupos ou instituições. Indo da esquerda para a direita, identifique seus aliados ativos: aqueles que concordam com você e estão lutando junto: seus aliados passivos: aqueles que concordam com você mas não estão fazendo nada a respeito; os neutros: aqueles em cima do muro, que não estão envolvidos; os oponentes passivos: pessoas que discordam de você mas não estão tentando detê-lo; e finalmente seus oponentes ativos.

Alguns grupos de ativistas só falam ou atuam com aqueles no primeiro compartimento (os aliados ativos, Nota do Baixa: a “bolha”), construindo subculturas insulares, marginais e autorreferenciadas, que são incompreensíveis para qualquer outra pessoa. Outros se comportam como se todo mundo estivesse na ponta oposta (a dos oponentes ativos), agindo como se fossem “os poucos bons” e como se o mundo todo estivesse contra eles. Essas duas abordagens tendem ao fracasso. Os movimentos vencem não por se tornarem mais poderosos que seus oponentes ativos, mas sim removerem a base de apoio desses oponentes.

Por exemplo, em 1964, o Comitê de Coordenação Não-violenta Estudantil (Student Nonviolent coordinating Committe), uma grande liderança do movimento pelos direitos civis no sul dos EUA, realizou uma espécie de “análise do espectro de aliados”. Eles perceberam que tinham muitos aliados passivos que eram estudantes do norte do país: esses estudantes eram simpáticos à causa, mas não tinham uma porta de entrada no movimento. Eles não precisavam ser “educados” ou convencidos, eles precisavam ser convidados a entrar.

Para mudar esses aliados de “passivos” para “ativos”, o Comitê enviou alguns ônibus para o norte para trazer o pessoal para participar da campanha “Verão da Liberdade”. Os estudantes vieram em manadas, e muitos foram profundamente radicalizados no processo, testemunhando linchamentos, abusos de policiais violentos e multidões de brancos raivosos, tudo simplesmente pelo fato de ativistas negros tentarem votar.

Muitos escreveram cartas para seus pais, que de repente estabeleceram uma conexão pessoal com a luta. Isso disparou uma outra mudança: suas famílias se tornaram aliados passivos, muitas vezes trazendo junto seus colegas de trabalho e conexões sociais. Os estudantes, por sua vez, voltaram para a escola no outono e começaram a se organizar nos campi. Mais mudanças. O resultado: uma transformação profunda do horizonte político dos EUA. Vale ressaltar que esse efeito cascata na mudança de apoio não foi espontâneo: ele fez parte de um movimento estratégico deliberado que até hoje traz lições profundas para outros movimentos.

*Com a contribuição de Joshua Kahn Russel: mobilizador e estrategista que atua em movimentos por justiça social e equilíbrio ecológico. Ele trabalha com a 350.0rg e também é coordenador de ações, facilitador e treinador da Ruckus Society. [Versão em inglês do post].

Imagem: 1 (capa do Bela Baderna), 2 (ilustração de Joshua Kahn Russel).

Ciberativismo encerra 1º ciclo do Cineclube CCD POA

Anonymous-07

Na próxima quinta feira (27/6), às 18h30, o Cineclube Casa da Cultura Digital encerra o 1º ciclo de atividades em 2013 “We are a Legion: The Story of Hackativists”. O documentário conta a história do Anonymous, desde as origens do coletivo, que começou nos fóruns de imagens 4chan e 711chan, onde as postagens podem ser feitas de forma totalmente anônima, até as atuais “invasões” de sites como protestos e a apropriação, no mínimo polêmica, do nome “Anonymous” por grupos no mundo todo.

O documentário foca na ideia da desobediência civil on-line ao citar precursores do ativismo digital, como o Cult of the Dead Cow, grupo dos EUA formado nos anos 1980, e na história do grupo – em especial por meio das conversas com integrantes do Anonymous presos em julho de 2011 e à espera de julgamento por causa dos ataques contra PayPal, Visa e MasterCard em 2010, em represália ao corte de serviços ao Wikileaks,

Segundo uma matéria publicada na Folha de São Paulo faz algum tempo, “foi com muita paciência que o diretor Brian Knappenberger frequentou salas de bate-papo usadas pelos integrantes do Anonymous, durante um ano, tentando ganhar a confiança de alguns para filmar  o doc.

“Quando você fala com gente que esconde a identidade, é um desafio saber o que está por trás. É preciso calma. Um deles disse que me conhecia, e até hoje não tenho ideia de quem era”, contou o diretor, também jornalista de 41 anos, que lidera a produtora Luminant, em Los Angeles, colaboradora dos canais Discovery Channel e Bloomberg Television, e que tem como novo trabalho a produção de um doc sobre Aaron Swartz.

Entre as polêmicas do grupo, está a divulgação de informações de internautas, como números de cartões de crédito, para provar a fragilidade de sistemas. “Eles fazem isso de forma barulhenta, pública, é uma provocação. É diferente dos hackers que invadem para roubar e fazem isso silenciosamente”, defende o diretor Brian. Alguns ataques chegaram a reunir 10 mil pessoas, mas só de 200 a 300 costumam frequentar salas de bate-papo em períodos calmos.

Continuando com a ideia de itinerar pelos espaços da Casa de Cultura Mário Quintana, o Cineclube desta vez vai ocorrer na Sala Luís Cosme, no 4º andar da CCMQ.

Vale lembrar que o filme conta a história do Anonymous baseado no EUA. A conduta tosca dos que se dizem representantes do grupo no Brasil será, inclusive, um dos pontos abordados no bate-papo pós filme, com o Willian Araújo, doutorando em comunicação na UFRGS e pesquisador do ciberativismo brasileiro, Felipe Villanova, ativista pela democracia direta e que já fez parte do grupo, e integrantes da CCD.

Veja o trailer aqui abaixo. Depois da exibição, o filme vai pra nossa BaixaTV como de praxe.

 

SERVIÇO
Cineclube Casa da Cultura Digital Porto Alegre
We are a Legion: The Story of Hackativists – 
27/6, 18h30
Sala Luís Cosme (4º andar)
Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas, 736 – Centro)

Por uma sociedade digital livre (1): Vigilância

Quem conhece o proclamado “pai do software livre” Richard Stallman sabe que ele não é um homem de brincadeiras quando o assunto é defender o software (e uma sociedade) livre. Com sua militância agressiva, consegue operar muito bem no campo político, e tá longe de ser um hacker bitolado em tecnicismos.

Pois bem. Nossa sempre atenta parceira Aracele Torres fez a tradução de um texto fundamental do bardo, A Free Digital Society – What Makes Digital Inclusion Good or Bad?, que na verdade é a transcrição de uma palestra que Stallman ministrou em Paris, em outubro de 2011, sob esse mesmo título.

Devido a extensão, ela vai publicar o texto em pelo menos cinco partes – que nós republicaremos por aqui também. Nessa primeira parte, que Aracele postou aqui, Stallman introduz o tema da inclusão digital questionando seus benefícios à sociedade e fala, principalmente, das ameaças que a inclusão digital pode oferecer à nossa liberdade.

“Os computadores são o sonho de Stalin: são ferramentas ideais para vigilância, porque tudo que fazemos com os computadores, eles podem gravar”, lembra Stallman, numa visão que, ademais de parecer pessimista, é realista.

Uma sociedade digital livre: o que faz da inclusão digital boa ou ruim?

Por Richard Stallman (tradução Aracele Torres)

Projetos com objetivo de inclusão digital estão criando uma grande pressuposição. Eles pressupõem que a participação em uma sociedade digital é boa; mas isso não é necessariamente verdade. Estar em uma sociedade digital pode ser bom ou ruim, dependendo se essa sociedade digital é justa ou injusta. Há muitas formas nas quais nossa liberdade está sendo atacada pela tecnologia digital. A tecnologia digital pode piorar as coisas, e irá, a menos que lutemos para impedi-la. Portanto, se temos uma sociedade digital injusta, nós deveríamos cancelar esses projetos de inclusão digital e iniciar projetos de extração digital. Temos que extrair as pessoas da sociedade digital se ela não respeita sua liberdade; ou temos que fazê-la respeitar.

Vigilância

Quais são as ameaças? Primeiro, vigilância. Os computadores são o sonho de Stalin: são ferramentas ideais para vigilância, porque tudo que fazemos com os computadores, eles podem gravar. Eles podem gravar as informações em uma forma pesquisável perfeitamente indexada em uma base de dados central, ideal para qualquer tirano que queira esmagar a oposição.

A vigilância, às vezes, é feita com nossos próprios computadores. Por exemplo, se você tem um computador que está executando Microsoft Windows, esse sistema está praticando a vigilância. Há funcionalidades no Windows que enviam dados para algum servidor. Dados sobre o uso do computador. Um recurso de vigilância foi descoberto no Iphone há alguns meses, e as pessoas começaram a chamá-lo de “telefone espião” (spy-phone). O Flash Player tem um recurso de espião também, assim como a Amazon “Swindle”. Eles o chamam de Kindle, mas eu o chamo Swindle (o trapaceiro), porque ele é feito para enganar os usuários sobre sua liberdade. Ele faz as pessoas se identificarem sempre que compram um livro, e isso significa que a Amazon tem uma lista gigante de todos os livros que cada usuário leu. Tal lista não deveria existir em nenhum lugar.

A maioria dos celulares irá transmitir a sua localização, calculada através de GPS, por comando remoto. A companhia telefônica está acumulando uma lista enorme de lugares que o usuário esteve. Um alemão MP no Partido Verde [correção: Malte Spitz está na esquipe do Partido Verde, não é um politico eleito] solicitou à companhia telefônica os dados que ela tinha sobre onde ele esteve. Ele teve que processar, que ir ao tribunal para obter essa informação. E quando conseguiu, recebeu quarenta e quatro mil pontos de localização por um período de seis meses! Isso é mais que 200 por dia! O que isto significa é que alguém poderia formar um quadro muito bom de suas atividades apenas olhando para esses dados.

Nós podemos impedir que os nossos próprios computadores façam essa vigilância sobre nós se tivermos o controle do software que eles executam. Mas o software que essas pessoas estão executando, elas não tem controle sobre ele. Eles não são software livre, e é por isso que tem recursos maliciosos, como a vigilância. Entretanto, a vigilância nem sempre é feita com os nossos próprios computadores, ela também é feita a distância. Por exemplo, ISP’s na Europa são obrigados a manter os dados sobre as comunicações dos usuários da internet por um longo tempo, caso o Estado resolva investigar essa pessoa mais tarde por qualquer razão imaginável.

Com um celular – mesmo se você puder impedir o telefone de transmitir sua localização GPS, o sistema pode determinar a localização aproximada do telefone, através da comparação entre o tempo em que os sinais chegam em torres diferentes. Assim, o sistema do telefone pode fazer a vigilância mesmo sem a cooperação especial do próprio telefone.

Da mesma forma são as bicicletas que as pessoas alugam em Paris. Claro que o sistema sabe onde você pega a bicicleta e onde você a devolve, e eu tenho ouvido relatos de que ele segue as bicicletas quando elas estão se movendo também. Então elas não são algo em que podemos realmente confiar.

Mas também existem sistemas que não têm nada a fazer com a gente, que só existem para o rastreamento. Por exemplo, no Reino Unido todas as viagens de carro são monitoradas. Os movimentos de cada carro estão sendo gravados em tempo real e podem ser acompanhados pelo Estado em tempo real. Isso é feito com as câmeras que ficam ao lado da estrada.

Agora, a única maneira de evitar a vigilância que é feita a distância ou por sistemas independentes é através da ação política contra o poder aumentado do governo para rastrear e monitorar a todos, o que significa, claro, que temos que rejeitar qualquer desculpa que eles podem dar. Para fazer tais sistemas, nenhuma desculpa é válida – para monitorar a todos.

Em uma sociedade livre, quando você sai em público você não tem garantia de anonimato. É possível que alguém o reconheça e se lembre. E mais tarde essa pessoa poderia dizer que viu você em um determinado lugar. Mas essa informação é pública. Não é convenientemente montada para rastrear a todos e investigar o que fizeram. Coletar essas informações dá muito trabalho, por isso é feito somente em casos especiais, quando é necessário.

Mas a vigilância computadorizada torna possível centralizar e indexar todas essas informações de modo que um regime injusto possa encontrar tudo isso e descobrir tudo sobre todos. Se um ditador toma o poder, o que poderia acontecer em qualquer lugar, as pessoas percebem isso e reconhecem que não devem se comunicar com outros dissidentes de uma forma que o Estado poderia descobrir. Mas se o ditador tem vários anos de registros armazenados, de quem fala com quem, é tarde demais para tomar todas as precauções então. Porque ele já tem tudo o que precisa saber: “OK esse cara é um dissidente, e ele falou com ele. Talvez ele seja um dissidente também. Talvez devêssemos agarrá-lo e torturá-lo.”

Então nós precisamos fazer uma campanha para pôr fim à vigilância digital agora. Você não pode esperar até que haja um ditador e isso seja realmente importante. E, além disso, não é preciso uma ditadura absoluta para começarem a atacar os direitos humanos.

Não seria exagero chamar o governo do Reino Unido de ditadura. Ele não é muito democrático, e uma das formas através das quais ele esmaga a democracia é usando a vigilância. Alguns anos atrás, as pessoas acreditavam estar a caminho de um protesto, elas estavam indo protestar. E foram presas antes que pudessem chegar lá, porque seus carros foram rastreados através deste sistema universal de rastreamento de carro.

Créditos imagem: 1.